quinta-feira, 25 de agosto de 2016

SÍNDROME DE PENSAMENTO ACELERADO

Desde sempre se ouviu falar em hiperactividade, esta é caracterizada por uma ansiedade psicomotora, inquietação e agitação do pensamento articulado à linguagem. A este tipo de Hiperactividade designamos por – Hiperactividade genética.

O que acontece nos nossos dias e está a acontecer muito nas nossas escolas, é que as nossas crianças estão a ser todas catalogadas como hiperactivas. Os meninos(as) não param nas cadeiras, tem défices de atenção, são respondonas e muitas vezes respondem coisas adversas aquilo que lhes é questionado,… entra muitas outras coisas. – A este tipo de hiperactividade, designamos Hiperactividade Funcional.

O que muitos pais e professores desconhecem é que a origem da hiperactividade(Funcional) está relacionada com o, SPA – Síndrome de Pensamento Acelerado*.

A televisão e os jogos de computador, apresentam estímulos alucinantes visuais, cheios de cores e padrões que o nosso cérebro capta em milésimos de segundo em conjunto com os mais diversos estímulos sonoros. Mostram mais de sessenta personagem por hora, com diversas características e personalidades e é com estas personagens (Pessoas destemidas, irreverentes, tristes, alegres, sorridentes, mal criadas, verdadeiros “artistas”), que os nossos filhos vivem e pior do que isso, se identificam e nos comparam. Pelo menos quatro horas por dia, quando não é mais em alguns dos casos. Lamentavelmente, muitos pais já colocam bebés de seis meses e ainda mais pequenos, à frente da caixinha maravilha lá de casa chamada: televisão, ao quatro anos, oferecem PSP`s, NIntendos e outros.

Os resultados são muito mais graves, do que os pais e professores podem pensar.

A maior consequência dos estímulos é contribuir para o desenvolvimento do SPA, as crianças geram compulsão nos seus comportamentos, para tentar aliviar e compensar a falta dos estímulos, assim como um dependente necessita das drogas.

Sintomas:

Fadiga excessiva, sem exercício físico; sono insuficiente; irritabilidade, sofrimento por antecipação, esquecimento, défice de concentração, aversão à rotina e por vezes sintomas psicossomáticos como: dores musculares, taquicardia, gastrite, etc.

* Autor e investigador Dr.º Augusto Curry

Fonte: Espaço Psi

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A importância de brincar sem brinquedo

Um foguete, uma varinha mágica, um trem ou qualquer tipo de animal estão entre as muitas formas que um simples graveto pode tomar pela criatividade e imaginação (principalmente) das crianças. O exercício é importante para o desenvolvimento e para a construção autoral dos pequenos e, ter esta consciência, ajuda os adultos a garantir que haja momentos livres de brinquedos prontos.
“É preciso não planejar tantas atividades e não deixar tantas opções de brinquedos com uma função específica disponível”, afirma Tatiana Weberman, responsável pelo SlowKids, movimento que propõe a desaceleração para a infância. “Deixar menos opções, muitas vezes, é abrir uma porta para a criatividade e uma vastidão de possibilidades.”
Criadora da plataforma de brincadeiras Massacuca, Graziela Iacooca, conta que, ao contrário de muitos adultos, as crianças não precisam de instruções para brincar com objetos do cotidiano. “A nossa proposta é tirar o lúdico de objetos normais, o que a criança sabe fazer. Estamos ensinando os adultos a disponibilizar isso para os pequenos”, comenta.
O caso mais famoso é o tradicional baú de tesouros. Basta uma caixa, balde ou sacola e diferentes objetos da casa, como utensílios de cozinha em tamanhos e materiais variados. “Daí podem sair narrativas de histórias incríveis ou um bolo ou qualquer coisa que a criança queira e ela vai se divertir não apenas com os objetos, mas com a criação”, comenta Graziela.
Construções das crianças podem ser ricas de significado. Foto: Território do Brincar
Os mesmos objetos podem ser também contornados, congelados, ornamentados, mergulhados na água, enterrados e assim por diante. “Não somos exatamente contra brinquedos, mas contra o excesso de brinquedos e contra os que têm uma função específica”, explica.
Um animal bem pequeno, por exemplo, pode ser colocado dentro de uma bexiga com água, congelado e depois se transformar em um ovo a ser quebrado para retirar o bicho de lá de dentro.
O brincar espontâneo é objeto de pesquisa da cineasta Renata Meirelles. Por conta disso, viajou por 9 estados e estabeleceu-se em 14 comunidades diferentes durante 1 a 3 meses para estudar o assunto e produzir o documentário Território do Brincar, lançado este ano. “O foco foi sempre entender o que a criança faz, elas que dizem o que querem nos mostrar”, conta.
Ela e o marido viajaram com os dois filhos, agora com 6 e 8 anos, que também participavam das brincadeiras. Os destinos escolhidos foram locais com pouca estrutura como o Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, ou o Recôncavo Baiano.
“A gente viu muitas que não se utilizam de brinquedos comprados, industrializados, elas reúnem o nada e organizam para compor o que elas brincam”, explica, ainda com o encanto da riqueza percebida. “Nesta busca, ela consegue se ver representada por aquelas coisas que ela fez, compôs, arrumou. Cria um diálogo grande com quem ela é.”
Para ela, há um “sufocamento da própria infância” com a quantidade de brinquedos de que algumas são cercadas. “Mesmo os brinquedos mais comuns, como carrinhos e barquinhos, para os meninos, quando são feitos por eles, com latas, tábuas, chinelos, pneus e uma gama de objetos contam uma história e geram um vínculo diferente.”
Ela conta que impressionam os detalhes, por exemplo, em casinhas com panos colocados como toalhas de mesa e flores para decorar. “Foi incrível a diversidade de composições de brinquedos e brincadeiras”, comenta.
Os filhos levaram uma mala de brinquedos que também eram compartilhados e costumavam interessar às demais crianças. “Certamente se você falar que vai dar, eles querem, mas sabem distinguir. Eles dizem, por exemplo, que brinquedo comprado ‘quebra’, ou seja, os deles, em sua percepção, são apenas modificados.”
Para ela, entre tantas lições do projeto Território do Brincar, uma bastante clara é que a infância precisa do ócio e da ausência de brinquedos prontos para que possam acessar os próprios desejos, vontades e interesses. “Elas conseguem concretizar na prática seus sonhos com sua imaginação.”

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

É POR ISSO QUE VOCÊ PRECISA DORMIR VIRADO PARA SEU LADO ESQUERDO

Quando eu vou para a cama, costumo dormir do meu lado direito.

Não há nenhuma razão específica para isso. Acontece que, eu poderia realmente fazer algo bom para mim dormindo do lado oposto.

Você pode dormir de várias maneiras e cada uma delas impacta sua saúde.

Dormir de barriga para baixo não é bom, se você tem problemas respiratórios.

Dormir do lado direito agrava distúrbios digestivos.

Então, como devemos dormir?

Quando você dorme em seu lado esquerdo, está provavelmente melhorando drasticamente a sua saúde e talvez até mesmo salvando sua vida.

A medicina holística chama o lado esquerdo de lado linfático dominante e, quando você dorme nesse lado, seu corpo filtra as toxinas de forma mais eficaz através dos gânglios linfáticos.

Dormir do lado direito pode reverter isso, o que aumenta a chance de doenças mortais.

Fonte: O SEGREDO

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Menina de 18 anos se prepara para casar com seu próprio pai após dois anos de namoro


Incesto aconteceu depois de 12 anos afastados. Eles se conheceram e passaram uma semana juntos - tempo suficiente para, segundo ela, se apaixonarem e terem a sua primeira relação sexual

"AS PESSOAS PRECISAM PESQUISAR MAIS SOBRE INCESTO E GSA", DIZ GAROTA QUE SE PREPRARA PARA CASAR COM O PRÓPRIO PAI (Foto: Thinkstock)

Na década de 80, Barbara Gonyo, fundadora de um grupo de apoio a crianças adotadas que tiveram a chance de conhecer os pais biológicos, cunhou o termo “Atração Sexual Genética” (GSA - sigla em inglês). Segundo ela, ele diz respeito aos intensos sentimentos amorosos e sexuais observados nas reuniões de reaproximação. Em entrevista ao The Guardian, contou que este sentimento tabu ocorre em 50% dos casos em que parentes afastados se reencontram na fase adulta. É exatamente esta a realidade vivida por uma garota americana de 18 anos.

Os pais da menina se conheceram no colégio, aos 18 anos, e a conceberam na noite da festa de formatura. Eles tinham um relacionamento sério há seis meses, mas romperam durante a gravidez. “Eu acho que os problemas psicológicos da minha mãe contribuíram para que a relação não funcionasse. Ela sofre de bipolaridade e outros problemas mentais”, disse. “Eles não eram felizes e não mantiveram o contato depois do meu nascimento.”

Nos dois primeiros anos de vida, ela foi criada pelos avós por conta do descontrole da progenitora e teve um breve contato com seu pai entre os 3 e 5 anos de idade. Mas os encontros eram sempre conturbados e marcados por discussões do ex-casal. Logo, as visitas cessaram.

“Quando eu tinha uns 15 anos, ele escreveu para a minha mãe dizendo que gostaria de me ver. Eu disse que sentia falta dele e não me importaria em encontrá-lo. Ela me perguntou como eu poderia sentir saudades de alguém que eu mal conhecia, que eu não via há muito tempo. Mas a minha carência era de uma figura paterna.” Segundo a jovem, a mãe sempre se relacionou com os caras errados e ela nunca conseguiu se sentir próxima dos padrastos.

Até que aos 17 anos, ela teve a chance de reencontrar o pai biológico. “Minha mãe era muito controladora. Ela tinha a senha do meu Facebook, desde a criação da conta. Um dia, depois de recuperar os meus privilégios de acessar a rede social, ele me adicionou como amigo. A princípio, pensei que fosse o meu avô, por causa do nome similar. Só depois me dei conta de que se tratava do meu pai. Eu disse que achava que ele estava morto e perguntei por que ele demorou para entrar em contato. Ele disse que sempre tentava me adicionar, mas eu sempre rejeitava o convite. Era a minha mãe controlando o meu perfil.”

Os dois passaram cinco dias juntos. “Ele estava morando com a namorada. Na primeira noite, dormiu no sofá e eu no chão, só para ter a certeza de que estava tudo bem. Dormir em lugares diferentes me deixava ansiosa e eu pedi para que ele ficasse comigo, caso eu tivesse pesadelo durante a noite. Na segunda noite, ele dormiu no sofá novamente. E no terceiro dia, eu me vi dormindo com ele no chão, deitada em seu peito, nos braços. A quarta noite passamos no chão de novo. Desta vez, nós realmente nos abraçamos. Quando acordamos, estávamos de conchinha. Eu não soube disso na hora, mas depois que nos declaramos, ele confessou ter tido uma ereção. [Não senti nada]. Eu estava dormindo e ele foi discretamente ao banheiro.”

Na noite seguinte, enquanto brincavam de lutinha antes de se deitarem, ela o mordeu. “Eu pude vê-lo arrepiado dos dedos dos pés aos ombros. Em seguida, ele beliscou minha coxa e eu me arrepiei toda. Paramos e dissemos que não sabíamos o que estava acontecendo, mas admitimos que sentíamos algo forte um pelo outro. Discutimos se isso era certo e nos beijamos. Depois, fizemos amor pela primeira vez. Foi quando eu perdi a virgindade.”

Ela conta que nunca teve vida social, namorou um garoto durante dois anos, mas foi traída. Em seguida, se relacionou com uma garota, mas ela era muito religiosa e a relação não vingou.

No depoimento, ela confirmou que eles se sentiram completamente apaixonados, sentimento que causou o fim do namoro do pai, na época. A mãe e a família materna os veem como pai e filha; já a família paterna os aceita como um casal e “estão ansiosos para que tenhamos filhos”.

Quase dois anos depois do início do relacionamento, eles planejam se casar. “Quero um casamento completo, mas não legalmente registrado. Não acredito que um pedaço de papel prove que você deseja ficar com a pessoa que ama.” Para isso, pretendem se mudar para Nova Jersey, onde podem se sentir seguros perante a lei. “O incesto entre adultos não é considerado ilegal por lá. E assim que mudarmos, vou contar a todo mundo.”

O desejo do casal é também ter filhos biológicos. Eles não temem risco algum. “Eu não correria o risco de ter um filho se eu soubesse que seria prejudicial. Eu pesquisei sobre isso. Todo mundo pensa que as crianças nascidas em relações incestuosas, certamente, terão problemas genéticos, mas isso não é verdade. Isso acontece quando há anos de consanguinidade, como com a família real.”

Mas ela admite que, às vezes, o procura como filha. “Quando eu preciso do meu pai, eu digo, ‘Ei, pai, preciso de você’. E nessa hora, ele não é meu noivo ou namorado, mas meu pai.”

Hoje, ela está com 18 anos e ele com 37, mas garantem que a diferença de idade não atrapalha em nada. “Eu nunca me senti dessa forma com ninguém.”

Quanto aos julgamentos, ela diz: “Eu não entendo por que estou sendo julgada por ser feliz. Somos dois adultos que salvaram um ao outro. As pessoas precisam pesquisar mais sobre incesto e GSA, porque eles não sabem do que se trata e não entendem como acontece. Quando você tem 18 anos, você sabe o que quer. Você é adulto diante da lei. Eu posso cuidar de mim mesma. Não preciso se proteção. Se eu estivesse em uma situação da qual eu tivesse que sair, eu sairia. Não tenho medo de me defender.”

Fonte: Marie Claire

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

DOIS TERÇOS DO MUNDO FORAM DESCOBERTOS PELOS PORTUGUESES


Sabia que dois terços do mundo foram descobertos pelos portugueses?

Provavelmente não sabe. Mas é verdade. Foram os primeiros a chegar.

Investigaram. Experimentaram. Desbravaram. Deixando o testemunho da sua presença. Trouxeram novas de sítios que se julgavam inalcancáveis. Em menos de 100 anos mudaram o mundo. A esse Mundo deram novos Mundos.

Materializaram o sonho e modificaram a noção de distância. Fizeram crescer o comércio e o conhecimento científico. Anteciparam a História. Ajudaram ao nascimento de novos países. Foram os primeiros cidadãos do Mundo. E se mais Mundo houvesse lá teriam chegado.

1434 - Cabo Bojador
1471 - Equador
1488 - Cabo da Boa Esperança
1498 - Índia
1500 - Brasil
1513 - China
1522 - Austrália
1542 - Califórnia
1543 - Japão
1550 - Nova Zelândia

Fonte: Portugal Glorioso

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Brasileiro com mais de 60 anos pode viajar gratuitamente de ônibus por todo o país, e obter 50% de desconto em passagens aéreas


O não cumprimento da lei dá direito a indenização por dano material e também por dano moral


O Brasil está envelhecendo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), em 2050 estima-se que 30% da população brasileira terá 60 anos ou mais. De acordo com o Relatório Mundial de Saúde e Envelhecimento, o número de pessoas com mais de 60 anos no Brasil deverá crescer mais rápido do que a média internacional, enquanto nos outros países o número vai duplicar, no Brasil ele vai quase triplicar. A estimativa de vida do brasileiro também aumentou, segundo informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), hoje o brasileiro vive em média 72,7 anos. Esse aumento no tempo de vida tem gerado alguns benefícios para essa parcela da população que já deu sua contribuição ao País; entre esses benefícios está o desconto em viagens.

Pessoas com mais de 60 anos, possuem o direito de obter descontos de aproximadamente 50% em passagens aéreas. “Cerca de 5% dos assentos das aeronaves devem ser reservados e, em havendo procura, cedidos com esse benefício”, comenta o Advogado Roldão Lopes de Barros Neto. O Advogado explica que para obter o benefício, é necessário que o idoso realize a aquisição do bilhete com, no mínimo, 72 horas de antecedência.

Para viagens rodoviárias, o idoso possui direito ao bilhete gratuito. Entretanto, esse benefício só é concedido àqueles que ganhem menos de dois salários mínimos por mês. É fundamental a comprovação de renda para obtenção da passagem gratuita. “As passagens para idosos são possíveis para todos os dias e horários, inclusive nos feriados mais concorridos, pois, pela legislação, as empresas são obrigadas a reservar no mínimo dois assentos por ônibus, para os beneficiários desta gratuidade”, explica o Advogado. Para obter o benefício, o idoso deve solicitar o bilhete de viagem com antecedência mínima de três horas, em relação ao horário de partida da linha. Na mesma ocasião, o idoso pode solicitar a passagem de volta e deve comparecer para o embarque com antecedência mínima de 30 minutos, sob pena de perder o benefício e a empresa vender seu assento para outra pessoa.

De acordo com o Dr. Roldão, muitas empresas alegam que a cota já foi concedida, ou seja, que os dois lugares já estão ocupados, e assim livram-se da obrigatoriedade de conceder o benefício. “É direito do idoso, nessa situação, de exigir a comprovação da concessão, bem como o número dos assentos cedidos, a fim de poder conferir a veracidade das alegações”, ressalta. De qualquer forma, já tendo esse benefício sido concedido, ainda há a possibilidade, amparada pela lei, do idoso obter 50% de desconto na sua passagem, nesse mesmo coletivo, desde que ele tenha chegado na rodoviária com antecedência mínima de três horas para viagens de até 500 quilômetros e de seis horas para viagens acima de 500 quilômetros. “O não atendimento, o desrespeito ao estatuto do idoso, dentre outras punições, inclusive de natureza criminal, dá direito a uma indenização por danos materiais (restituição do valor pago a maior, acrescido de juros e correção monetária) e por danos morais, através da justiça”, enfatiza Dr. Roldão.

Sobre o Advogado Roldão Lopes de Barros Neto – Diretor da Roldão Lopes de Barros & Advogados Associados, Roldão Lopes de Barros Neto é graduado em Ciências Jurídicas e advogado militante desde 1983, sendo titular em três bancas; uma na cidade de São Paulo, uma em Campinas (SP) e outra em Vargem Grande Paulista (SP), e também adjunto em outras duas bancas: Paraná e Rio de Janeiro. Pós-graduado, lato senso, com habilitação para o Magistério em Direito Civil; Mestre em Direito com concentração em Direito Civil e formação complementar em Direito Processual Constitucional. Atualmente desenvolve sua tese em doutorado. Foi professor de Direito, fundador, da Faculdade de Paulínia (SP) e ministrou aulas de Direito em diversas universidades do Estado de São Paulo. Atua constantemente como palestrante em Seminários, Congressos e Universidades. Destaca-se também no segmento de livros, com oito títulos publicados, entre eles: Livro de Direito para Administração de Empresas; Direito do Trabalho – Apontamentos Legais, Doutrinários e Jurisprudenciais e O suicídio como acidente de trabalho.
Detentor de diversos prêmios, como o Super Cap de Ouro, por duas vezes, devido ao seu destaque no setor jurídico; e do Prêmio Destaque, outorgado pelos jornalistas independentes do Estado de São Paulo, duas vezes consecutivas, em decorrência de sua atuação no setor jurídico em defesa do Direito da mulher. Dr. Roldão também escreve para diversos jornais e sobre vários assuntos jurídicos no site www.roldaodebarros.com.br.

Fonte: MG Turismo

domingo, 31 de julho de 2016

Golpe no Banco Santander de Santa Rosa


Havia um telefone celular dentro do telefone do banco, ao que tudo consta, grampeando a ligação

A atuação da bandidagem está cada vez mais engenhosa. Há pouco uma jovem sofreu um golpe na agência do banco Santander, localizada na rua Noronha Torrezão, próxima ao Largo do Marrão, em Santa Rosa. Segundo uma testemunha que estava no local, a jovem disse que a máquina de auto-atendimento "engoliu" o seu cartão. Nervosa, acionou o telefone institucional do banco, sendo imediatamente acolhida pela "voz de atendimento" do outro lado da linha, identificada como "Ana Paula". Seguindo a orientação da suposta atendente, a jovem informou as senhas do cartão e, logo em seguida, foi surpreendida com um saque em sua conta bancária. A Polícia Militar foi acionada e lá chegando tratou de averiguar o aparelho de telefone do banco. Para surpresa dos que estavam no local, havia um TELEFONE CELULAR DENTRO DO TELEFONE DO BANCO, ao que tudo consta, GRAMPEANDO A LIGAÇÃO!!! É, pessoal, TÁ OSSO!!! Bandido agora dá aula de ciência e tecnologia!!!

Fonte: Jornal de Niterói

sábado, 30 de julho de 2016

Saiba quantos insetos e pelos de roedor são tolerados nos alimentos que você consome

O anúncio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), há alguns dias, de que caixas de um lote do extrato de tomate Elefante continham “fragmentos de pelo de roedor” deixou os consumidores assustados. A surpresa foi não apenas por terem sido detectados vestígios de contaminação por rato, ratazana ou camundongo, mas por haver um limite de tolerância, aceito pelo órgão de fiscalização, de uma quantidade mínima de pelos de bichos em alimentos e bebidas vendidos no país.
Em março deste ano, entrou em vigor no Brasil uma resolução da agência reguladora, que determina até que ponto a presença de matérias estranhas em certos produtos é permitida. Segundo a Anvisa, é considerado um item estranho qualquer material que não faça parte da composição do alimento e que possa estar associado a condições inadequadas de produção, manipulação, armazenamento ou distribuição.
Em molhos, polpas e extratos de tomate e ketchup, por exemplo, o consumidor pode ingerir, sem saber, pedacinhos de insetos e de pelos de roedores. Neste caso, o limite é de até dez fragmentos de insetos ou um fragmento de pelo de roedor para cada cem gramas.
— Tenho horror a rato, e imaginar que posso estar comendo um pelo... Fica difícil fazer macarrão sem molho de tomate... Lá em casa, fazemos massa ao menos uma vez por semana — disse a dona de casa Elaine Medeiros, de 41 anos.
Para o taxista Pedro Paulo Viana, de 47 anos, a Anvisa e a indústria deveriam ser muito mais rigorosas com a fabricação de bebidas e alimentos.
Risco de doenças existe
Apesar de o padrão de limite de tolerância estar “entre os mais rígidos do mundo, se compararmos com países que são referência na regulação de alimentos”, afirma a Anvisa, para Sidnei Ferreira, presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), a legislação sanitária não deveria tolerar nenhum resquício de insetos ou pelos de roedores:
— É claro que nenhum tipo de contaminação deveria acontecer, principalmente por pelo de animais. É inadmissível. Não pode ter tolerância com a falta de higiene na manipulação e na fabricação dos alimentos.
O médico alerta que essas matérias estranhas, em determinados casos, podem até causar doenças a algumas pessoas.
— Dependendo do tipo de contaminação, uma série de doenças pode ser desencadeada, da mais simples à mais complexa. No caso de pelos de animais, pode ser de uma simples diarreia até uma hepatite — explicou o médico.
Suspensão de venda não é novidade
O caso mais recente de suspensão da venda de um produto por presença de corpos estranhos acima do limite permitido foi o do extrato de tomate Elefante, da marca Knorr. Um teste constatou fragmentos de pelo de roedor acima do limite de tolerância. O lote L6 do produto, fabricado pela empresa Cargill Agrícola, tem validade até 21 de maio de 2015. A interdição é por 90 dias. Nesses casos, a fabricante tem o direito de solicitar a realização da análise de contra-prova para a conclusão do caso.
Em agosto de 2014, a Anvisa determinou a retirada imediata de todas as lojas e a suspensão de comercialização do lote 2K04, com vencimento em janeiro de 2014, do Tomato Ketchup, da marca Heinz. A medida foi adotada após testes identificarem pelo de roedor no produto acima do permitido. Seis meses antes, a Proteste já havia detectado o problema e avisado à Anvisa. A agência, porém, afirmou que não poderia suspender as vendas, porque a análise não tinha sido feita por um laboratório oficial. Novos testes feitos no Instituto Adolfo Lutz confirmaram o problema.
Ainda no ano passado, em maio, a Secretaria estadual de Saúde do Rio suspendeu a venda e o consumo de lotes da polpa de tomate natural da marca Predilecta, nos quais foram encontrados pelos de animais. Os produtos retirados dos supermercados foram a polpa de tomate natural (lote 390M23SA) e o molho de tomate refogado (lote L134S/RT).
Em 2012, antes da nova resolução, a Proteste também notificou a Anvisa sobre a presença de pelo de rato em três amostras de uvas-passas e castanhas-do-pará sem cascas, à venda em São Paulo.

Fonte: Extra

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Quatro envolvidos com terrorismo pediram credenciais para a Olimpíada

Forças de segurança fizeram o maior exercício integrado de enfrentamento a ameaças externas na estação de Deodoro neste sábado - Pablo Jacob / Agência O Globo

Órgão do governo federal já vetou 11 mil nomes, segundo ‘Fantástico’

RIO - O Centro Integrado Antiterrorismo (Ciant), órgão do governo federal que faz o monitoramento dos pedidos de credenciamento para a Olimpíada, descobriu que 40 pessoas que querem vir ao Rio estão com alertas emitidos por agências de outros países. Quatro delas, segundo reportagem do “Fantástico”, da TV Globo, têm ligação comprovada com o terrorismo. Todas tiveram as credenciais negadas e estão sendo acompanhadas por serviços internacionais de inteligência.

Os nomes, as nacionalidades e as acusações estão sob sigilo. O centro descobriu ainda que 61 brasileiros com mandados de prisão por diferentes crimes também pediram credencial para o evento.

Segundo o “Fantástico”, a Copa do Mundo no Brasil teve 350 mil pedidos de credenciais. Na Olimpíada de Londres, foram 450 mil. Já para Olimpíada do Rio, 460 mil pessoas solicitaram a autorização. O Ciant, no entanto, recomendou ao Comitê Rio-2016 que negasse credenciais para quase 11 mil pessoas, segundo Andrei Augusto Passos Rodrigues, coordenador Nacional de Segurança dos Jogos do Rio.

— Fizemos uma varredura em todos os bancos de dados nacionais e também no âmbito da cooperação internacional. Os países que fazem parte do Ciant são Estados Unidos, Espanha, França, Reino Unido, Argentina, Bélgica e Paraguai — contou o coordenador ao “Fantástico”.

MAPA DETALHADO DA CIDADE

Andrei Rodrigues disse que o Ciant dispõe de um mapa detalhado do Rio, no qual estão marcados com pontos vermelhos, por exemplo, os hotéis que irão receber os estrangeiros da família olímpica. Os consulados ganharam pontos verdes. A cor azul destaca os locais de competição, e os pontos amarelos, os locais de treinamento das delegações.

A Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos, do Ministério da Justiça e Cidadania, e a Polícia Federal também desenvolveram um aplicativo para receber denúncias e compartilhar informações durante os Jogos.

— Vamos capacitar mais de duas mil pessoas, além dos 20 mil voluntários e daqueles que trabalham na rede hoteleira, no sistema de transporte público e em concessionárias de serviços públicos — disse Andrei Rodrigues.

Na semana passada, logo após o atentado em Nice, no Sul da França, autoridades brasileiras decidiram rever o plano de segurança para a Olimpíada. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, convocou a imprensa para dizer que a população terá de trocar “um pouco de conforto por muita segurança”. Segundo ele, diante do ataque em Nice, seria uma “monumental irresponsabilidade” se o Brasil não revisse os procedimentos de segurança.

O governo estuda ampliar as barreiras para afastar ainda mais os carros dos locais de competição e aumentar o número de revistas nas pessoas. Etchegoyen afirmou que o espectador poderá ter que passar por mais inspeções ou fazer caminhadas mais longas, por causa de vias interditadas. Um representante da Abin deve embarcar hoje para França, onde pretende obter mais informações do serviço de inteligência sobre o atentado. Anteontem, forças de segurança federais e estaduais fizeram o simulado de um atentado terrorista na estação de trem de Deodoro.

O general Etchegoyen disse que o presidente interino Michel Temer exigiu pressa nos novos planos. A reunião do grupo de segurança da Olimpíada, que acontece toda terça-feira, por exemplo, foi antecipada para hoje. O oficial minimizou a informação sobre um suposto plano de atentado do Estado Islâmico, envolvendo um brasileiro, contra a delegação da França durante a Olimpíada. A notícia foi divulgada pelo jornal francês “Libération”. O ministro do GSI disse que não há dados concretos sobre isso.

Uma das medidas tomadas na sexta-feira foi a deportação sumária do professor franco-argelino Adlène Hicheur, que trabalhava como pesquisador do Instituto de Física da UFRJ. Ele foi surpreendido em sua casa e levado pela Polícia Federal até o Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão, onde embarcou para a França. Hicheur foi condenado em Paris a cinco anos de prisão, em 2009, por ligações com terroristas. Hicheur estava no Brasil desde 2013.

MAIS RIGOR NOS AEROPORTOS


A partir de hoje, a inspeção de passageiros e bagagens nos aeroportos do país será mais rigorosa. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou que procedimentos já previstos, como revista manual de bagagens de bordo na hora do embarque, serão intensificados com o objetivo de aumentar a segurança. Com as mudanças, o tempo de chegada às salas de embarque vai aumentar. As companhias aéreas já estão orientando os passageiros de voos nacionais para que passem a se apresentar para o check-in com uma antecedência de pelo menos uma hora e meia do horário da partida. A alteração no procedimento, que vale para os voos nacionais e internacionais em todos os aeroportos brasileiros, não tem prazo para acabar.

Fonte: O Globo

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Brasileiro está entre feridos em atentado em Nice


Outros presenciaram atropelamentos: 'Pessoas caíam no meio da rua'

RIO — Pelo menos cinco brasileiros testemunharam a noite de terror, com pelo menos 80 mortos, na cidade francesa de Nice na noite desta quinta-feira. Eles relatam o medo e o caos que se instalaram na festa em celebração ao Dia da Bastilha, que até então estava em um clima alegre com a tradicional queima de fogos, quando um caminhão avançou sobre a multidão propositadamente.

Um deles, Anderson Happel, que mora na cidade francesa, foi um dos feridos pelo caminhão e disse ter tomado quatro calmantes e diversos analgésicos para aguentar a dor.

— Empurrei a minha irmã e, quando fui tentar correr, o para-choque bateu na minha perna esquerda e caí do outro lado. Todo mundo corria em pânico, chorando. Tinha muita criança morta e as mães pedindo a Deus para elas voltarem a viver. Vi muita gente morta, isso me deixou em estado de choque — relatou ao G1.

Segundo Happel, como os hospitais estavam lotados, ele terá que voltar hoje para saber a gravidade de seu ferimento. Ao Jornal Nacional, a jornalista brasileira Tarima Nistal, que estava perto do local onde ocorreu o atropelamento coletivo, disse que tentou se abrigar na cozinha de um restaurante:

— Depois de 15 minutos que a gente estava no restaurante foi uma correria, todo mundo se atropelando. Todo mundo foi pra dentro da cozinha. Mesmo as pessoas que estavam chorando e começaram a fazer silêncio, aquele silêncio do tipo ‘alguém está vindo’. A gente ficou meia hora na cozinha, e nessa meia hora teve outros alarmes falsos. De repente as pessoas começavam a correr duas, três vezes. Fiquei muito assustada, achando que eu ia morrer mesmo. Parece coisa de filme. Parece coisa de cinema. A gente espera o pior acontecer, a gente ali fechada espera que alguém vai abrir a porta e sair atirando. Era essa a sensação e agora continua essa sensação de desespero. Espero que isso passe

O médico brasileiro Mauro Mattos estava com a família em Nice e também falou ao JN:

— Assim que acabou a queima de fogos de artifício, a gente começou a ouvir um barulho grande e algumas pessoas pulando do calçadão para a areia da praia. Logo apareceu um policial e mandou todos se abrigarem. Eu e a minha família ficamos uns 30 minutos nesse local junto com outras pessoas no restaurante, quando saímos em direção ao carro, tivemos que andar por essa avenida onde tinha tido o atentado e infelizmente havia dezenas de corpos espalhados. Muita gente fazendo atendimento, ambulâncias passando. A gente via o nervosismo, todo mundo correndo, uma situação extremamente difícil, ainda mais com crianças.

Em depoimento à rede BandNews, a brasileira Camila Lara afirmou que não chegou a ver o caminhão na avenida que estava fechada à circulação de veículos, mas ouviu o tiroteio que se seguiu ao atropelamento.

— Corremos sem saber o que estava acontecendo. As pessoas estavam correndo no meio da rua, caindo no meio da rua.

Em entrevista à GloboNews, o brasileiro Bernardo Martins, que mora em Paris e chegou ontem a Nice, estava em um bar no momento do ataque:

— Ouvimos um barulho e vimos a multidão correndo. Depois dos fogos, a multidão se dispersou. Logo depois, o gerente do bar pediu para todo mundo entrar.

As causas do ataque não foram definidas ainda, mas testemunhas afirmam que o motorista sabia o que estava fazendo. Ele teria acelerado propositadamente sobre a multidão e, em seguida, começado a atirar, segundo uma das testemunhas.

Fonte: O Globo
Verbratec© Desktop.