sábado, 26 de julho de 2014

Extremistas islâmicos ordenam mutilação genital em massa no Iraque: multiculturalismo ou barbárie?

Ali e Ferguson: um casal nota dez, que defende a civilização contra a barbárie


O movimento radical Estado Islâmico (EI) ordenou que garotas e mulheres da cidade de Mosul, norte do Iraque, e arredores sejam submetidas a mutilação genital. A informação foi confirmada pela ONU nesta quinta-feira (24).

O líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, emitiu um comunicado de Aleppo, na Síria, no último dia 11, no qual ordena a mutilação genital de todas as mulheres que estão sob sua liderança e tenham idades entre 11 e 46 anos.
O processo deverá ser realizado a exemplo do que “se fazia na cidade sagrada saudita de Medina”, continua o documento.

O EI capturou diversas cidades do Iraque recentemente e, no mês passado, proclamou a fundação de seu califado (Estado islâmico) –que, no futuro, pretende o grupo, se estenderá por um território que hoje inclui não só o Iraque mas também a Síria.

Localizada a cerca de 400 km ao norte da capital Bagdá, Mosul é a segunda maior cidade do Iraque, e é a principal atualmente sob controle dos extremistas.

O EI dizem que o intuito da mutilação genital em massa é “cuidar” da sociedade muçulmana, evitando “a expansão da libertinagem e da imoralidade” entre as mulheres iraquianas.

Pergunto: isso é multiculturalismo ou barbárie? Muitos “progressistas” abraçam um exacerbado relativismo cultural (e moral), receosos de que qualquer crítica mais objetiva seja confundida com etnocentrismo, que por sua vez remete ao nazismo, à arrogância de uma raça superior ou algo do tipo. Balela!

Reconhecer que certas culturas avançaram mais que outras não tem nada a ver com nazismo, com raça superior, até porque cultura não é raça, não é genética, não é estanque; evolui, muda, e as mais abertas são justamente as que mais conseguem absorver qualidades de outras. Povos fechados costumam ficar para trás.

Não resta muita dúvida, analisando por esta ótica, que a cultura ocidental evoluiu mais. Muitos países islâmicos sequer passaram por seu iluminismo ainda; vivem na Idade das Trevas, sem separação alguma entre estado e religião, sem liberdades individuais.

A esquerda multiculturalista enfrenta um impasse: cuspir nessa cultura ocidental que permitiu sua própria existência, mas que é associada ao domínio do “homem branco” e vista como “imperialista”; e ao mesmo tempo abraçar bandeiras “liberais” de defesa das “minorias” que são completamente ignoradas nesses países atrasados que gosta de defender. É uma postura incoerente.

Ser feminista no Ocidente é moleza. Usar como instrumento dessa luta contra o “machismo” atitudes como não se depilar é moleza, ainda que nojento (minha opinião). Agora, erguer bandeiras em prol da liberdade feminina em países islâmicos, isso é coragem! Não é à toa que poucas fazem…

Para quem quiser saber mais sobre essa nefasta prática de mutilação genital, recomendo a biografia Infiel, de Ayaan Hirsi Ali, esposa de Niall Ferguson que fugiu do islamismo africano para a liberdade holandesa, e hoje luta contra a barbárie, sem medo de ofender os multiculturalistas politicamente corretos.

Rodrigo Constantino

Veja

Vigilância Sanitária encontra crianças amarradas em creche de Curitiba


Caso aconteceu na manhã desta quarta-feira (23), no bairro Uberaba.
Conselho Tutelar foi acionado pelos fiscais da Vigilância.


Crianças com idades entre dois e três anos de idade foram encontradas amarradas com fraldas em uma creche particular, no bairro Uberaba, em Curitiba. O flagrante aconteceu durante uma vistoria de rotina da Vigilância Sanitária ao estabelecimento, nesta quarta-feira (23).
De acordo com a Secretaria de Saúde, as crianças estavam amarradas às cadeiras da sala em que estudavam. A equipe da Vigilância Sanitária que presenciou a cena fez imagens do flagrante e denunciou o caso ao Conselho Tutelar.
Ao G1, a Secretaria da Saúde não quis informar o nome da escola em que aconteceu o flagrante. A reportagem entrou em contato com o Conselho Tutelar do bairro Cajuru, que cuida da região, mas ninguém retornou a ligação para dizer se o caso será investigado e se a creche pode sofrer algum tipo de sanção.

G1

Escutas telefônicas mostram que Sininho queria se exilar na Inglaterra

Elisa Pinto de Quadros Sanzi estava presa desde o dia 12 de julho, e foi solta na quinta-feira

RIO - A ideia de buscar asilo político em outro país, estratégia adotada sem sucesso esta semana pela advogada Eloísa Samy, já havia sido cogitada por outra ativista, Elisa Pinto de Quadros Sanzi, a Sininho, como mostram escutas telefônicas feitas com autorização da Justiça na Operação Firewall. Numa conversa em 24 de junho com um outro ativista, identificado como Igor, Sininho demostra medo de ser presa ou assassinada por policiais e fala da ideia de ir para a Inglaterra. Ela ressalta o impacto político positivo da iniciativa:

"Estou pensando em ir para a Inglaterra com o Mohamed para fazer as denúncias sobre o que está acontecendo aqui. Ia ser um processo de caos agora, eu me exilar depois da Copa e antes das eleições. Mas os advogados de São Paulo e daqui (de Porto Alegre) não estão concordando com isso".

Igor demonstra não concordar com a ideia, mas Sininho insiste:

"Exílio, querendo ou não, tem um poder político muito forte. Imagina a pessoa ser exilada agora, seria um poder político forte se eu fizesse isso, se tivesse uma boa campanha internacional. Porque essa perseguição que eu estou vivendo não vai acabar. ... O que quer esse inquérito? Ele vai até onde? Minha vida está virando um inferno, não estou conseguindo trabalhar... É ameaça em cima de ameaça: ameaça de milícia, ameaça de polícia... Se eu não for assassinada por um policial, eu vou ser presa, e aí?"

A conversa segue com o ativista defendendo a ideia de que ela continue no Brasil. Igor ironiza:

"E você sozinha vai denunciar o Estado brasileiro?"

Sininho demonstra irritação na resposta:

"Ah, por favor! Não vou ser eu sozinha. Assim você me tira de idiota. Eu sozinha vou denunciar o estado brasileiro? Realmente, um país democrático, antes das eleições, uma pessoa que está em foco nacional e internacional se exila. Você acha realmente que isso vai passar supertranquilo? Ah, ‘é como se ela estivesse indo na padaria’? Óbvio que não, isso vai ter um apelo!... Vai ser forte, vai dar para usar isso em nosso favor".

No fim da conversa, Sininho reforça sua preocupação com a própria segurança:

"Os caras matam juíza, cara! O que eu sou perante a uma juíza? Eu sou uma merda, um cocozinho! Vou ficar em cana a minha vida ate que ponto? Será que não dá para fazer mais coisa num lugar seguro? Até que ponto vou arriscar minha vida?"

O Globo

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Teresa de Benguela


Teresa de Benguela foi a mulher de José Piolho, que chefiava o Quilombo do Piolho (ou Quariterê), em Guaporé, O Quilombo do Quariterê em Cuiabá ficava próximo à fronteira de Mato Grosso com a Bolívia. Sob a liderança da Rainha Teresa (viúva), a comunidade negra e indígena resistiu à escravidão por duas décadas, sobrevivendo até 1770, quando o quilombo foi destruído pelas forças de Luiz Pinto de Souza Coutinho e a população (79 negros e 30 índios), morta ou aprisionada.

A Rainha Teresa comandou a estrutura política, econômica e administrativa do Quilombo, mantendo um sistema de defesa com armas trocadas com os brancos ou resgatadas das vilas próximas. Os objetos de ferro utilizados contra a comunidade negra que lá se refugiava eram transformados em instrumento de trabalho, visto que dominavam o uso da forja.

O Quilombo do Quariterê, além do parlamento e de um conselheiro para a rainha, desenvolvia agricultura de algodão e possuía teares onde se fabricavam tecidos que eram comercializados fora dos quilombos, como também os alimentos excedentes. Mato Grosso.1

O dia de 25 de julho é instituído no Brasil, pela Lei número 12.987, como o Dia Nacional de Teresa de Benguela e da Mulher Negra2

Wikipédia

Polícia encerra buscas por corpo de Eliza em terreno apontado por primo de Bruno



Jorge Rosa Sales afirmou que cadáver estava enterrado próximo ao aeroporto de Confins

A Polícia Civil encerrou as buscas pelo corpo de Eliza Samudio no local apontado pelo primo de Bruno, Jorge Rosa Sales, na tarde desta sexta-feira (25). Segundo a PC, ele pode ser indiciado criminalmente caso seja provado que ele tinha como objetivo tumultuar as investigações.

O próprio Sales solicitou que a PC parasse de escavar o terreno. Em coletiva de impresa no local das buscas, em Vespasiano, na Grande BH, o chefe do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa, Wagner Pinto, anunciou o fim das buscas.

— O trabalho da polícia é checar as informações, senão, seríamos cobrados eternamente. Agora estamos encerrando as buscas.

Ainda conforme Pinto, a intenção do primo de Bruno ao dar esta informação deve ser apurada.

— Quando uma pessoa presta uma informação e essa informação causa torpeços e embaraços em uma investigação, sem dúvida ela é responsabilizada penalmente. Temos que averiguar.

Para o delegado há duas possibilidades: o jovem pode ter confundido o local ou alguém retirou o cadáver, o que seria menos provável. No terreno foi enocntrada uma bota, mas o objeto é irrelevante para as investigações, conforme o DHPP.

As buscas começaram por volta de 10h desta sexta-feira (25) depois que o condenado pela morte da modelo Eliza Samudio, Jorge Rosa Sales, afirmou nesta quinta-feira (24), em entrevista à rádio Tupi, do Rio de Janeiro, que o corpo de Eliza foi enterrado em um terreno próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. Sales era menor na época do crime e chegou a cumprir medida socioeducativa pela participação no assassinato da modelo.

25 de Julho Dia Nacional do Escritor


O 25 de julho foi definido como dia nacional do escritor por decreto governamental, em 1960, após o sucesso do I Festival do Escritor Brasileiro, organizado naquele ano pela União Brasileira de Escritores, por iniciativa de seu presidente, João Peregrino Júnior, e de seu vice-presidente, Jorge Amado.

Escrever pode ser um ofício, um passatempo, uma forma de desabafo, uma manifestação artística.

A escrita tem várias funções dentro da linguagem e o verdadeiro escritor é aquele que sabe utilizar-se de cada uma destas funções para atingir seu objetivo, seja ele informar ou encantar quem o lê.

Antes do século VI a.C., as grandes narrativas eram passadas oralmente. Desde a invenção da escrita, essas histórias puderam ser repassadas e permanecer na história em sua forma inicial, já que o discurso oral sempre apresentava variações (basta lembrar do ditado: “quem conta um conto aumenta um ponto”).

Assim, temos registros de grandes escritores da Antigüidade, da Idade Média, do Renascimento… e, graças a eles, temos escritos históricos de épocas remotas; ficções de fadas e dragões medievais; mitos e lendas antigos; tratados de medicina e alquimia; compêndios de estudos filosóficos e religiosos.

O escritor convence graças ao poder de sua paixão pela palavra, e não prioritariamente pela paixão que dedique a uma causa.

Ou melhor, a sua causa sempre foi e será a palavra, caminho e céu de todas as causas. E de todas as paixões.

O texto literário nasce das mãos do escritor. No dia do escritor comemoramos a solidão diante da palavra, a verdade, o medo, a alegria, o amor indizíveis de só saber escrever.

Brasil Cultura

terça-feira, 22 de julho de 2014


Em abrigos, programa resgata história de crianças e adolescentes com brincadeiras e expressões artísticas

Acolhido em abril de 2013, Roberto* sempre teve dificuldade em se comunicar e desabafar sobre o que acontecia na sua casa e os motivos dele estar num abrigo. Porém a voluntária Julia*, do Instituto Fazendo História, percebeu que o garoto de 11 anos de idade gostava muito de brincar e encontrou no lúdico a oportunidade de se aproximar e conhecer mais sobre Roberto. Juntos, faziam um resgate de sua história por meio de conversas e brincadeiras, e ainda registravam em um álbum, com pinturas, fotos e colagens, imagens que expressavam suas memórias para que conhecesse e se apropriasse de sua história passada e presente.

É dessa forma que funciona o programa Fazendo Minha História, do Instituto Fazendo História, localizado na capital paulista. “Buscamos o direito de a criança ter sua história de vida, elaborada, contada, vivenciada por ela. Isso contribui para trabalhar melhor algumas questões com ela e com sua família”, explica a coordenadora técnica dos programas do Instituto, Isabel Penteado. “Antes, pensavam que a história dessas crianças e adolescentes era cheia de mazelas e coisas ruins, então era omitida, mas todos nós temos vivencias boas e ruins em nossas vidas e elas não são esquecidas. Vimos que é preciso compreender o que se viveu e buscar transformarem potencias as dificuldades.”

Esse é o fio condutor do programa que, a partir da mediação de leitura e brincadeiras com fantasias e personagens, traz como resultado o prazer em ler, o valor de se registrar a própria história e ainda incentiva os profissionais dos serviços de acolhimento a conversarem de forma afetiva com as crianças e adolescentes sobre suas próprias histórias de vida. “É um trabalho inovador. Não é fácil para as crianças falarem, então criar personagens ou histórias fictícias são ótimas formas para ajudar a criança a enfrentar o que viveram”, aponta Isabel.

Todo o trabalho desse programa é feito em parceria com voluntários ou profissionais dos abrigos, que se encontram semanalmente com as crianças durante um ano, para ler e compartilhar histórias, além de ajudar na construção do álbum. “Os educadores, psicólogos e voluntários passam por formação de mediação de leitura e aprendem como trabalhar as histórias dos livros e das crianças. Dessa forma, os acolhidos conseguem trabalhar a própria história, os motivos de estar ali e as suas relações, com os pais, com os colegas e com seu redor”, relata a coordenadora do Instituto.

Espaço de proteção


Dados do Ministério do Desenvolvimento Social apontam que, em 2010, 36.929 crianças e adolescentes estavam sob medida de acolhimento, espalhados entre os 2.624 serviços de atendimento no Brasil. Negligência na família (37,6%), pais ou responsáveis dependentes químicos ou alcoolistas (21%) e abandono (19%) são os principais motivos para que uma criança seja afastada por um tempo de sua família.

De acordo com a coordenadora técnica dos programas do Instituto, Isabel Penteado, há crianças que estão esperando por uma família adotiva, outras que ainda não estão disponíveis para adoção, mas que as famílias não foram encontradas. E ainda há aquelas que somente ficam por alguns meses até que a situação em sua casa se resolva. “Quando se denuncia uma família, os órgãos responsáveis verificam essa denúncia e, se entendem que essa família não pode cuidar dessa criança, ela fica abrigada por um tempo.”


Previstos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para casos de violação ou ameaça dos direitos de meninos e meninas, os abrigos institucionais, casas lares ou famílias acolhedoras, devem oferecer um espaço de proteção que favoreça o desenvolvimento da autonomia e da criatividade dessas crianças e adolescentes. A permanência máxima é de, no máximo, dois anos, salvo casos em que seja necessário um tempo maior. “Antigamente os meninos eram esquecidos no abrigo, hoje isso é menos frequente”, compara Isabel.

Fazendo história

Formado por um grupo de psicólogas, o Instituto Fazendo História é uma organização não governamental que atua há quase 10 anos na cidade de São Paulo, colaborando com o desenvolvimento de meninos e meninas nos serviços de acolhimento e junto à rede de proteção à infância. “A ideia é que a rede de atendimento ajude a família a se reorganizar para receber a criança de volta. Lugar de criança e adolescente crescer é na sua família e estamos aqui para ajudar”, afirma a coordenadora.

Hoje são 144 abrigos parceiros que recebem o Instituto, dividido em cinco principais programas de acolhimento institucional, que oferecem desde rede de psicólogos voluntários e formação de educadores a serviços de desenvolvimento para bebês, crianças e adolescentes. “Muitas vezes os voluntários e educadores são pessoas sem conhecimento técnico, então precisamos sempre alinhar com eles a importância, os cuidados e proteções com a criança”, explica Isabel.

Ela destaca também a relação com os adolescentes, que pode ser um pouco mais delicada. “Os abrigos têm muita dificuldade em trabalhar com adolescentes. É uma fase intensa e de descobrimento, de autonomia e ao mesmo tempo dependência”. Nesse sentido, outro programa do Instituto, o Grupo Nós ajuda os abrigos em como trabalhar com esses meninos e traça com eles projetos de vida para os próximos três anos, pensando em moradia, profissionalização, estudos e nos vínculos de suporte desses adolescentes.

“Muitas histórias se repetem, a família é violenta com seu filho e, diversas vezes, os adultos responsáveis viveram isso com seus pais. Essas crianças têm especificidades, foram retiradas e precisam de acolhimento. Então, devemos quebrar esse ciclo de violência e não alimentar o pensamento de que não há nada a ser feito com essas famílias”.

*Os nomes foram alterados para preservar a identidade das pessoas citadas

promenino

Bombardeios de Israel em Gaza já mataram 121 crianças, diz Unicef


Bombardeios de Israel em Gaza já mataram 121 crianças, diz Unicef

Um total de 121 crianças palestinas, 80 delas de menos de 12 anos - morreram desde que Israel começou a ofensiva militar contra o território palestino de Gaza, informou o Unicef, o organismo das Nações Unidas para a proteção da infância, nesta terça-feira (22).

Segundo os dados, 84 vítimas eram meninos e 37 meninas, com idades que variavam entre cinco meses e 17 anos.

Pelo menos 904 outras crianças ficaram feridas, acrescentou o órgão.

Com as mortes ocorridas nesta terça em Gaza, as vítimas palestinas da ofensiva israelense já somam 593 pessoas em 15 dias. No mesmo período, 27 soldados israelenses também morreram, os dois últimos em combates na noite desta segunda (21), além de dois civis, um israelense e um beduíno, depois que foram atingidos por foguetes lançados da Faixa de Gaza.

O Escritório de Assuntos Humanitários da ONU descreveu como "devastadora" a situação para a população de Gaza, um território de altíssima densidade demográfica, com 4.500 pessoas por quilômetro quadrado.

"Literalmente, não há um espaço que seja seguro para os civis", destacou o porta-voz, Jens Laerke.

Segundo uma rápida avaliação realizada por voluntários em Gaza, 107 mil crianças precisam de tratamento especializado pelo trauma que sofreram ao vivenciar ataques que mataram suas famílias ou destruíram suas casas.

Por enquanto, as equipes de emergência conseguiram oferecer esse tipo de apoio a menos de 900 crianças.

G1

sábado, 19 de julho de 2014

EUA confirmam primeira transmissão de chikungunya dentro do país

Mosquito 'Aedes aegypti', transmissor da dengue, também passa o vírus chikungunya (André Lucas Almeida/Futura Press)

Doença foi detectada em homem que não viajou ao exterior. Casos anteriores envolveram pessoas que estiveram em países com circulação do vírus

Autoridades de saúde dos Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira o primeiro caso de transmissão do vírus chikungunya em território americano. Até então, o vírus havia sido detectado somente em pessoas que viajaram para países onde há circulação da doença.

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), órgão oficial de saúde dos Estados Unidos, a doença foi detectada em um homem da Flórida que não viajou ao exterior recentemente. A agência afirmou que está acompanhando a possível aparição de novos casos na região. Segundo o órgão, Os Estados Unidos identificou o vírus em 243 indivíduos que viajaram ao exterior em 2014.

No Brasil, já foram registrados 20 casos de febre chikungunya neste ano. Todos os pacientes viajaram ao exterior recentemente e não foi confirmado nenhum caso de transmissão local. Entre as pessoas que apresentaram o vírus, uma esteve na República Dominicana; 17 são militares e missionários que retornaram de missão no Haiti; e as outras duas são haitianos que visitaram o Brasil, mas que já retornaram a seu país de origem.

A doença — A febre chikungunya apresenta sintomas similares aos da dengue – febre alta, mal estar e dores nos músculos, ossos e articulações – e é transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. A doença começa a se manifestar três a sete dias depois de o paciente ser picado. E se o paciente for novamente picado nos primeiros cinco dias dos sintomas, ele passa o vírus para o mosquito, que pode retransmiti-lo a outras pessoas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), desde 2004 o vírus chikungunya já foi identificado em 19 países da África, Ásia e Caribe. No Caribe, há um surto da doença atualmente: segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), de dezembro de 2013 a maio de 2014, foram registrados 61 864 casos, entre suspeitos e confirmados.

Nesta terça-feira, a OMS considerou como grave a situação epidemiológica da febre Chikungunya no continente americano. O número de infectados na região já supera os 5 000 — a maioria dos casos foi registrada no Caribe (4 518).

Veja

Justiça aceita denúncia e decreta prisão de 23 black blocs


Segundo decisão de magistrado, prisões se devem “à periculosidade dos acusados”. Elisa Quadros, a Sininho, está entre os detidos

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou na noite desta sexta-feira denúncia do Ministério Público contra 23 ativistas acusados de formação de quadrilha armada e decretou sua prisão preventiva. Cinco dos réus integram o grupo de black blocs que tiveram a prisão temporária decretada no último sábado, véspera da final da Copa do Mundo, durante a Operação Firewall, e que foram beneficiados por habeas corpus durante esta semana. Segundo o Tribunal de Justiça, os mandados de prisão já foram expedidos.

Entre os acusados estão Elisa Quadros, a Sininho, apontada como líder do grupo, que está no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no subúrbio do Rio, e teve a prisão temporária convertida em preventiva, assim como Camila Aparecida Rodrigues Jourdan e Igor Pereira D'Icarahy. Os outros dois ativistas que permaneciam detidos, Tiago Teixeira Neves da Rocha e Eduarda Oliveira Castro de Souza, não foram incluídos na denúncia e serão soltos. Segundo a promotoria, não existem provas consistentes contra eles.

Em nota divulgada pelo Tribunal de Justiça do Rio, o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau atribui a decisão à periculosidade dos acusados, "evidenciada por terem forte atuação na organização e prática de atos de violência nas manifestações populares". “Em liberdade, certamente encontrarão os mesmos estímulos para a prática de atos da mesma natureza. Assim, como a periculosidade dos acusados põe em risco a ordem pública, deve-se proteger, por conseguinte, o meio social”, justifica o magistrado.

Entre os 23 acusados, estão manifestantes envolvidos em diversos atos de vandalismo no Estado do Rio de Janeiro. Para o promotor Luís Otávio Figueira Lopes, da 26ª Promotoria de Investigação Penal, desde os protestos de junho de 2013 até hoje, os denunciados se associaram com a finalidade de praticar nas manifestações crimes como: posse de artefato explosivo, corrupção de menor, dano básico e qualificado, resistência e lesão corporal (consumada e tentada).

De acordo com a denúncia, a associação criminosa (formação de quadrilha armada) recorreu a facas, explosivos, coquetéis molotov, estilingues, rojões alterados para disparar pregos e porretes, entre outras armas. Para o Ministério Público, os atos violentos são incentivados por lideranças e praticados por indivíduos que adotam a tática black bloc.

Morte do cinegrafista – Os dois acusados pela morte do cinegrafista Santiago Andrade, atingido por um rojão no dia 6 de fevereiro deste ano, Fabio Raposo e Caio Silva Rangel, também foram denunciados. Os dois permanecem presos em Bangu pelo crime de homicídio.

Veja

Crianças são as mais afetadas por violência em Gaza e Israel, alerta diretor do Unicef


Mais de 30 crianças foram mortas pelo conflito e agravamento da violência em Gaza e Israel, além de centenas de outras feridas, somente nos últimos dias. A declaração é do diretor executivo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Anthony Lake, que ainda afirmou que “nenhuma criança deveria sofrer as terríveis consequências desse tipo violência.”

A violência afeta diretamente aspectos físicos e psicológicos na criança, podendo implicar em dificuldades para encontrar paz, estabilidade e entendimento. O diretor do Unicef alertou que é comum as crianças que testemunham situações como essa passam a considerá-la ‘normal’, e há grandes chances de repetir comportamento violento futuramente em suas vidas

promenino

sexta-feira, 18 de julho de 2014

'Gigante' da luta contra Aids e comissário que não deveria estar a bordo estão entre mortos


Uma das mentes mais brilhantes da pesquisa sobre a Aids e um comissário que não deveria estar no voo estavam entre os que morreram quando o voo MH17 caiu no leste da Ucrânia, nesta quinta-feira.

Veja abaixo algumas de suas histórias:

'Gigante' da pesquisa contra a Aids

O holandês Joep Lange estava entre os mais proeminentes do grupo de cerca de cem pesquisadores e ativistas que viajavam para a 20ª Conferência da Sociedade Internacional de Aids em Melbourne, na Austrália.

Relatórios sugerem que a bordo do MH17 estavam cerca de cem cientistas, oficiais de comunicação e ativistas que iriam participar da conferência.

Lange era um dos ex-presidentes da sociedade, descrito como uma das mentes mais brilhantes da pesquisa sobre a doença.

Antes da confirmação de sua morte, a sociedade afirmou, em nota, que "o movimento realmente perdeu um gigante".

No Twitter, vários colegas prestaram homenagem a Lange. A médica Seema Yasmin se referiu a ele como um amigo que foi dedicado a suas cinco filhas e tuitou: "Pessoas como Joep mudam o curso de uma epidemia."

"Joep foi um grande cientista clínico, e um grande amigo do Wellcome Trust", disse Jeremy Farrar, diretor do grupo de pesquisa médica Wellcome Trust.

A mulher de Lange, Jacqueline van Tongeren, também estava a bordo.

Passageiro acidental

Um comissário de bordo da Malaysia Airlines trocou seu turno de trabalho e acabou voando no jato que caiu em território controlado pelos rebeldes na Ucrânia.

Foi uma triste coincidência, já que sua esposa, comissária de bordo como ele, também havia trocado de turno e estava, por isso, no avião da Malaysia que desapareceu a caminho de Kuala Lumpur no dia 8 de março, com 239 passageiros a bordo, de acordo com uma reportagem do jornal The Malaysian Insider.

Sanjid Singh vivia com a mulher e o filho de sete anos em Kuala Lumpur.

"Ele esteve aqui [em Penang] há mais ou menos um mês. Ele nos disse recentemente que trocou com um colega o voo de volta Amsterdã-Kuala Lumpur," seu pai Jijar Singh disse ao jornal.

Singh disse que seu filho deveria visitá-lo após seu retorno de Amsterdã.

"A mãe dele havia preparado todos os seus pratos favoritos", disse.

Piada no Facebook

Cor Pan brincou no Facebook sobre seu avião desaparecendo pouco antes de decolar.

O holandês estava saindo de férias com sua namorada, Neeljte Tol, e postou uma foto do avião no Facebook com a legenda:

"Se o meu voo para a Malásia desaparecer, era assim que ele era."

Seus amigos reagiram desejando-lhe boas férias, mas assim que veio a notícia da queda do avião as mensagens em sua página do Facebook começaram a demonstrar preocupação crescente, que no fim se tranformou em tristeza.

Segunda perda

Uma família australiana foi duplamente afetada pelas seguidas tragédias com aviões da Malaysia Airlines.

Kaylene Mann, uma australiana que perdeu seu irmão e sua cunhada - Rod y Mary Burrows - no acidente ocorrido há 4 meses, soube nesta sexta-feira que sua enteada, Maree Rizk, estava entre os mortos.

Seu irmão, Greg Burrows, disse que a família não podia acreditar nem aceitar seu destino: "(Kaylene) perdeu seu irmão e agora sua enteada... Estamos destruídos novamente".

Rizk, de Melbourne, voltava para casa após férias de quatro semanas na Europa. Estava com o marido, Albert, membro do comitê do Clube de Futebol Sunbury, da Austrália.

Phil Lithgow, presidente do clube, disse que ela trabalhava como voluntária na cafeteria e que um de seus filhos, James, jogava na equipe.

"Eram pessoas adoráveis, não há nada que se possa dizer de mau deles. Eram muito generosos no tempo em que dedicavam à comunidade", disse Lithgow.

Visita à mãe falecida


Yuli Hastini, John Paulisen e seus dois filhos estavam indo visitar o túmulo da mãe de Yuli

Hastini, de 44 anos, seu marido holandês John Paulisen, de 47 anos, e seus dois filhos, o menino Arjuna, de 5 anos, e a menina Sri, de 3 anos, visitavam sua família na cidade natal dela, Solo, em Java Central, a cada dois anos, durante o feriado muçulmano do Eid.

Seu cunhado disse à BBC Indonésia que ela trabalhava para uma empresa farmacêutica na Holanda.

Ela havia ficou arrasada por não ter conseguido ir ao funeral de sua mãe no ano passado. Por isso, a família planejou a viagem para visitar o túmulo da mãe.

Ex-jornalista da BBC

Glenn Thomas, um jornalista e coordenador de relações com a mídia da OMS, estava viajando para a conferência sobre Aids na Austrália.

Glenn, de 49 anos de idade, trabalhava em Genebra e foi um dos nove britânicos que morreram no acidente.

Ele também era um ex-jornalista da BBC. Colegas e amigos prestaram homenagens no Twitter.

Peter Horrocks, diretor do Serviço Mundial da BBC, disse em um e-mail para os funcionários que Glenn era conhecido como um "indivíduo calmo, amável e totalmente profissional".

"Ele fará falta. Nossos pensamentos estão com sua família e amigos neste terrível momento".

Aeromoça persistente

A atendente de voo Nur Shazana Mohd Salleh era uma pessoa feliz e achava que este mês seria especial.

A família da aeromoça de 31 anos disse à mídia local que ela morreu fazendo o trabalho que amava.

"Ela passou por tantas entrevistas para finalmente conseguir este trabalho", o pai disse, acrescentando que ela trabalhou para a companhia pelos últimos nove anos.

Ele disse que ela era solteira e que tinha a esperança de se casar em breve, e que ela achava que este mês, de alguma forma, seria especial.

Seu tio disse que ela era a mais velha de quatro filhos e estava sempre alegre.

Professora inspiradora

Professora era 'uma inspiração' para seus colegas

A professora australiana Francesca Davison e seu marido, Liam, estavam voltando para a casa após férias na Europa.

Conhecida como Frankie, a professora de 54 anos é descrita pela diretora do colégio em que trabalhava como "uma inspiração para todos que entraram em contato com ela".

Ela ensinava literatura e humanidades em Toorak College, em Victoria, e é descrita como uma "querida amiga, generosa e amável".

BBC Brasil

MÉXICO: 500 CRIANÇAS VÍTIMAS DE ABUSO SÃO RESGATADAS DE ABRIGO

Crianças são vistas em um dos quartos do abrigo mexicano onde quase 600 pessoas foram resgatadas nesta terça-feira (15) (Foto: AFP) 
Os primeiros testemunhos entre as 600 crianças e jovens encontrados em um internato do México confirmam as denúncias sobre maus-tratos, abusos sexuais e cárcere privado cometidos no local, situado na cidade de Zamora, estado de Michoacán, informou nesta quarta-feira (15) a promotoria.
Um dia após a operação policial, a promotoria divulgou detalhes dos relatos de 12 jovens vítimas de abusos no orfanato "A Grande Família".
Os testemunhos narram agressões físicas, castigos em um cubículo sem água ou comida, alimentos podres e com baratas e abuso sexual, revelou à imprensa Tomás Zerón, diretor da agência de investigação criminal da promotoria.
Algumas crianças revelaram que foram forçadas a fazer sexo oral por maiores não identificados, e um relato cita um funcionário do orfanato que "pagou por atos sexuais" com um menor, disse Zerón.
Uma jovem com mais de 18 anos disse que foi mantida contra sua vontade no orfanato para ser abusada sexualmente por um dos administradores que, quando soube que ela estava grávida, a agrediu para "provocar um aborto", revelou o funcionário.
Fernando Román, um jovem que viveu durante 11 anos no orfanato, disse à AFP que sofreu severos castigos durante sua permanência no local, mas estimou que há exagero em certas acusações.
"Se você se comportasse, tudo ia bem", mas o roubo de sapatos novos era punido com "três dias sem comer" e a tentativa de fuga, "com uma semana preso no banheiro sem alimentos".
Nesta quarta-feira, a promotoria revisou o número de crianças e jovens encontrados na véspera no internato: 607; sendo 438 menores e 159 maiores, além de 10 indivíduos cuja idade não pode ser determinada devido ao "alto grau de desnutrição", precisou Rodrigo Archundia, titular da vice-promotoria especializada no crime organizado.
As forças federais foram ao orfanato, que funcionava há 40 anos no município de Zamora, após a denúncia de cinco pessoas de que o estabelecimento retinha crianças à força.
Na operação, que teve o apoio do Exército, as autoridades encontraram crianças sequestradas, adultos com idades entre 18 e 40 anos privados de sua liberdade e menores de idade - entre eles bebês de entre dois meses e três anos - que viviam em condições de abuso e insalubridade.

G1


PAPA ESTIMA QUE 2% DOS CLÉRIGOS SÃO PEDÓFILOS


O papa Francisco disse que estatísticas críveis indicam que cerca de 2% dos clérigos da Igreja Católica são pedófilos, algo insustentável e que Francisco prometeu combater com a severidade necessária. Em uma conversa com o fundador do jornal diário italiano La Repubblica, Eugenio Scalfari, publicada neste domingo (13), o papa define o abuso sexual de crianças e adolescentes como uma "lepra", a qual a Igreja deve erradicar. "Muitos de meus auxiliares que combatem (a pedofilia) comigo garantem que dados críveis avaliam que a pedofilia dentro da igreja atinge o patamar de 2%", disse o papa segundo a reportagem. Muitos na igreja "sabem e ficam calados. Eles punem, mas não revelam o motivo", acrescentou. Na última segunda-feira (7), Francisco encontrou-se com vítimas de abuso sexual por clérigos pela primeira vez desde que se tornou papa, pedindo pelo perdão e que os líderes da igreja assumam a responsabilidade pela proteção de crianças e adolescentes.


quinta-feira, 17 de julho de 2014

Este vídeo é digno de ser visto no Brasil todo



O cidadão brasileiro João Martins de Queiroz postou um vídeo de desabafo para responder às agressões do cidadão Luiz Inácio Lula da Silva endereçadas aos brasileiros que vaiaram a governanta Dilma Rousseff na abertura da Copa das Copas.

João Martins de Queiroz não pertence à elite branca, burguesa, golpista, reacionária, de olhos azuis, criada pelo discurso oportunista de Luiz Inácio Lula da Silva.
As declarações de João Martins de Queiroz são imperdíveis, sua coragem e sua objetividade crítica são exemplares. Tenho certeza de que o vídeo será amplamente repassado.

domingo, 13 de julho de 2014

Novo exame de sangue 'pode prever Alzheimer'

Cientistas britânicos acreditam ter dado um passo importante nas pesquisas sobre o Alzheimer ao criarem um novo exame de sangue que pode prever as chances de uma pessoa desenvolver a doença.

O estudo realizado com mais de mil pessoas identificou um conjunto de proteínas no sangue que pode antever o surgimento da demência com 87% de precisão.

Os resultados do trabalho, publicado na revista científica Alzheimer's & Dementia, serão usados para aprimorar os testes com novos medicamentos para a doença, que afeta 44 milhões de pessoas em todo o mundo.

O Alzheimer é uma doença degenerativa cujo primeiro sintoma é a perda da memória. Com o avançar do problema, pacientes também podem manifestar comportamento agressivo, irritabilidade, confusão mental, entre outros.

Os especialistas alertam que ainda não há previsão para que o exame esteja disponível em clínicas ou hospitais da Grã-Bretanha.

As pesquisas sobre tratamentos para o Alzheimer têm sido marcadas por fracassos. Entre 2002 e 2012, 99,6% dos experimentos feitos com objetivo de prevenir ou reverter a doença não levaram a nada.

Os médicos acreditam que as tentativas mal sucedidas se devem ao fato de que os pacientes começam a ser tratados tarde demais, já que os primeiros sintomas só aparecem uma década depois do início da doença.

Por isso, o maior objetivo das pesquisas atuais deste campo é identificar a demência em seu estágio inicial.

Exame de sangueOs pesquisadores investigaram diferenças no sangue de 452 pessoas saudáveis, 220 com danos cognitivos moderados e 476 com Alzheimer.

Eles puderam confirmar com 87% de precisão quantos pacientes com danos cerebrais moderados desenvolveriam Alzheimer no ano seguinte.

"Nós queremos poder identificar o quanto antes as pessoas que vão precisar de fazer exames mais aprofundados num futuro próximo," disse líder da pesquisa, Simon Lovestone, da Universidade de of Oxford.

"Como não há tratamento, muitas pessoas podem questionar o valor de um exame de sangue. Mas as pessoas vêm ao consultório saber o que está acontecendo com elas e atualmente eu não posso dizer", aifrmou Lovestone.

Ian Pike, médico da Proteome Sciences, companhia que faz pesquisas na área farmacêutica, considera que o exame de sangue é "um grande passo" nas pesquisas sobre a demência.

"Ainda vai levar tempo e mais testes com pacientes para termos certeza de que esses exames podem ser usados rotineiramente. Mas este processo pode ser iniciado agora", afirmou.

É improvável que o teste possa ser feito isoladamente no caso de estar disponível em clínicas no futuro. Um resultado positivo teria de ser corroborado com tomografias cerebrais e testes de fluidos da coluna vertebral.

No início do ano, pesquisadores americanos anunciaram um exame de sangue capaz de prever o aparecimento de Alzheimer em pessoas saudáveis com até três anos de antecedência.

BBC Brasil

!3 de Julho - Dia do Rock

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Campanha dialoga com crianças para promover autoproteção e orientação sobre abuso e exploração sexual


Em período de megaeventos como agora, com a Copa do Mundo acontecendo no Brasil, cresce a preocupação e o número de denúncias sobre violações de direitos das crianças e dos adolescentes. Pensando nisso, a Rede Marista de Solidariedade, em parceria com a Fundação de Ação Social de Curitiba (FAS), criou a campanha “Defenda-se”, focada na autoproteção e orientação direta para crianças sobre abuso e exploração sexual.

Para a campanha foram produzidos seis vídeos, com linguagem direcionada a meninos e meninas de 5 a 11 anos de idade, abordando situações que podem levar a um contexto de violência sexual. Também são dadas dicas simples de como a criança pode se defender, por exemplo não fornecer informações pessoais a estranhos, tomar cuidado com as fotos que compartilha na internet e saber identificar se qualquer pessoa – mesmo que seja da própria família – estiver tocando indevidamente seu corpo.


“Caso isso ocorra, a criança precisa saber que tem direito de ser protegida e que deve relatar a alguém de confiança, como uma professora ou outro familiar. Ou então ligar no Disque 100, para que a rede de proteção seja acionada”, ressalta o articulador do Centro Marista de Defesa da Infância (CEDIN), Douglas Moreira, também articulador do Fórum Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente no Paraná (Fórum DCA/PR). “Havia uma lacuna de materiais que falassem diretamente com as crianças, fomentando sua autoproteção. Aproveitando o momento da Copa, mas não se restringindo a ele, os vídeos partem do contexto do futebol e apresentam o ‘Time da Defesa’, formado pelas próprias crianças que aprendem e ensinam outras crianças a se defender”.

A ideia é que o “Defenda-se” não fique somente no Youtube, mas que sirva como material para ser trabalhado nas escolas, instituições e também para conversas em família, promovendo o debate sobre autoproteção e direitos entre as crianças. “Os materiais foram publicados em todos os canais da Rede Marista de Solidariedade e estão sendo repercutidos por diversos órgãos”, explica Moreira. Os vídeos ainda serão utilizados nas atividades socioeducativas desenvolvidas com crianças nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) em Curitiba durante a Copa.


promenino

IGUALDADE!!!!!


Sempre estamos tentando publicar textos e vídeos Bahá'is sobre Promoção da Igualdade de Direitos e Deveres entre Homens e Mulheres.
A cada dia, momento, vemos como continua aumentando a violencia direcionada ao sexo feminino, em todo o mundo, o desabrigo de mulheres e crianças vitimas das guerras, da fome, do deslocamento de refugiados.
Na visão dos Ensinamentos Bahá'is :
"A felicidade da Humanidade será alcançada quandoas mulheres e os homens cooperarem e promoverem a igualdade, pois cada um é o complemento do outro."

Simplesmente Sonia Maria