sábado, 5 de setembro de 2009

Biblioteca Virtual dos Direitos Humanos

Nosso colega Aldrin Iglésias do blog "O Jornal Tresler e a Espiral do Silêncio" deu uma dica preciosa a seus leitores e nós a repassamos a vocês.

Clicando aqui o leitor pode acessar a Biblioteca Virtual dos Direitos Humanos onde há links para a Declaração dos Diretos Humanos; acesso a vários documentos importantes da ONU, Unesco, OIT , Direitos Humanos no Brasil e muitos outros órgãos de defesa dos Direitos Humanos.
Vale a pena conferir!

Exposição Virtual: 30 anos de Anistia


Em sua fria síntese os dicionários nos informam que o substantivo feminino “anistia” significa esquecimento, perdão em sentido amplo. Talvez em um vago contexto tais definições possam ter até algum sentido. Mas no campo da política evidencia-se como uma imprecisão, um disparate, classificar anistia como esquecimento. Os que lutaram e foram anistiados deixaram uma viva memória em seu tempo e em seus pósteros. Mais que isso, se anistiados foram é porque as suas idéias e as lutas que travaram por elas deitaram raízes na sociedade e formaram a base pela qual receberam o ato de anistia.
Neste ano de 2009 completaram-se trinta anos da promulgação da lei de anistia e a Fundação Perseu Abramo realiza esta exposição, realizada com materiais conservados em seu Centro Sérgio Buarque de Holanda, para marcar esta data.
Mas, além disso, a Fundação Perseu Abramo reitera aqui a convicção, compartilhada com gerações de combatentes pela liberdade e pela democracia, de que anistia não é esquecimento: é verdade e justiça.


Leia um trecho de um dos textos que fazem parte da exposição e que acompanha a foto acima:

"O AI-5 fez com que a vigilância, a violência e o terror se disseminassem pelo Brasil, ocultos por um silêncio obsequioso ou forçado pela censura na imprensa brasileira. Intuindo tais rumos, importantes segmentos da oposição tomaram o caminho da luta armada pouco antes do AI-5, que foi uma “carta branca” para uma verdadeira guerra de extermínio contra os opositores da ditadura. Além disso, a ditadura criou várias estruturas de investigação, captura, tortura e eliminação de seus opositores, como os centros de informação das Forças Armadas, os DOI-CODI e organismos semiclandestinos como a OBAN, que contavam com financiamento e apoio privados. A tortura – prática desde sempre empregada no Brasil pelas forças da “lei e da ordem – institucionalizou-se, suas técnicas foram “aprimoradas” e disseminadas, sendo utilizada tanto contra os opositores políticos da ditadura como método de “investigação” pelas forças policiais nos crimes comuns".

Fonte: Fundação Perseu Abramo

Esta postagem foi uma sugestão de Valquiria Maria Augusti

O MACHISMO MUDOU DE NOME


Existe uma rede de praticantes de estupro no Brasil. São homens pertencentes aos mais variados níveis sociais. Muito provavelmente pertencentes a associações secretas, pois se ajudam nestas ações perversas. As mulheres escolhidas para serem estupradas são mães, irmãs, primas, esposas e pessoas próximas ao agressor.
Os tais "homens" ao escolherem, talvez, a própria mãe para ser estuprada por ele mesmo e por seus "amigos" de gang, entende que a mesma está merecendo ser castigada. Assim, mantém um estado mental de consciência "limpa", enquanto acabam com o corpo e a vida da vítima.
Por que acabam com a vida da pessoa?Porque, as mulheres estupradas, são drogadas quando estão dormindo. Primeiramente, usam anestésicos como clorofórmio ou a substância Ketamine, que é um anestésico veterinário, para imobilizar a vítima.
Depois desses anestésicos, aplicam outras drogas para relaxar a musculatura, hormônios e calmantes via injeções. Para que a pessoa não veja as marcas de agulhas, apertam a pele, como se estivesse beliscando, a fim de que fique uma mancha roxa. Por fim, depois da sessão de tortura, aplicam outra injeção com o medicamento "Dormire", que entre outros efeitos, provoca, amnésia dos fatos recentes. Ou seja, a vítima não esquece quem é, mas esquece o que aconteceu durante a sessão de estupro.
Os sinais de violência aparecem no corpo e na mente. Normalmente, a vítima só se dá conta de tudo após alguns dias do acontecido, uma vez que acordará na própria cama em que, conscientemente, foi dormir, se já tiver ciência de que está sendo vitimizada, embora não saiba quem seja o(s) autor(es) do crime.
Se a vítima ainda não houver descoberto que está sendo violentada, estuprada ou sodomizada, pensará que está doente, com problemas intestinais (devido sexo anal), dores musculares nos braços e pernas, ardência no nariz, garganta inchada, pele flácida, barriga saliente, alterações esqueléticas, hemorróidas, dores abdominais, retração gengival, raciocínio lento, angústia, sentimento de opressão, raiva descontrolada, perda de objetivos, e, outros sintomas devidos às drogas injetadas em seu corpo, além do vilipêndio psicológico.
Este tipo de crime tem sido praticado por elementos de algumas associações secretas, tipo maçonaria, contra mulheres inteligentes, destemidas, ou contra pessoas que tenham descoberto falcatruas, segredos inconfessáveis e armações de pessoas tidas como respeitáveis. A vítima desse tipo de crime pode ficar confusa, perder o foco de vida, não tem vivacidade, não consegue sentir prazer e paz em viver e pode pensar em suicídio.
Os prédios de apartamentos tem sido um ambiente propício para ação da rede de estupro. Os canalhas contam a ajuda de porteiros, síndicos e outros serviçais do prédio, afinal basta soltar alguns "trocados". Pessoas sozinhas ou que moram apenas com um parente é outro alvo da quadrilha. E, o pior dessa sórdida forma de destruição humana, é que a maioria das pessoas não acredita que isso está acontecendo.
A mulher vítima desta perseguição, além de sofrer todo o ultraje do estupro e violência, vê-se sem apoio, sendo desqualificada inclusive quanto à sua moral se ousar denunciar ou levar o assunto a público, inclusive pela própria família que não mora com ela. Eis que o machismo apenas trocou de nome.



Postado por Maria no REALIZATTO em 05/09/2009
11:53:00 AM

A FOME - VIOLÊNCIA NÃO ATIVA QUE ENVERGONHA UMA NAÇÃO


Por Sanny Lemos *

A fome é outra forma de violência silenciosa e perversa que atinge milhares de pessoas em todo mundo, em especial as crianças que ainda morrem precocemente por desnutrição, Marasmo, Kwashiorkor, Xeroftalmia... E a pobreza é a principal responsável por essa tragédia construída à base de contradições e negligência política.
É um genocídio que violenta, mutila e mata silenciosamente suas vítimas, entre elas as nossas crianças, sobreviventes por teimosia, sendo vistas a olho nu, revirando latas de lixo, disputando restos de comida com os animais sob os olhares frios de uma sociedade insensível, alheia e conivente.
Diariamente esse quadro está bem à nossa frente, escancarado, mostrando cada vez mais o contraste de um país de "poucos ricos e muitos pobres", um país de governantes sob o signo do poder e da ambição, um país de impunidades por conta de uma Lei caduca e ultrapassada que faz com que tudo termine em pizza servida dentro de um Congresso indecente e indecoroso, enquanto as prioridades do povo AGONIZAM, pedindo socorro ao vento...
A fome é uma expressão biológica que se tornou uma grave doença social, fruto de uma política defeituosa e incompetente, que avança e atinge sem piedade uma civilização construída a base de votos, de promessas e de degraus que sustentam o poder absoluto, vil e desumano.
E como define o inesquecível Betinho: "A fome é o atestado de miséria absoluta e o grito de alarme que sinaliza o desastre social de um pais que mostra a cara do Brasil."

* Sanny Lemos é Assistente de Prevenção Social, atuando na Vara da Infância e Juventude de Feira de Santana
Texto extraído das "Comunidades Virtuais de Aprendizagem"

Habeas Corpus e outros, continuam........


A assessoria de imprensa do STJ informou que três pedidos de habeas corpus feitos pela defesa do casal já foram analisados. Um quarto pedido de liberdade está sendo analisado pelo ministro Napoleão Nunes Mario Filho, da 5ª turma. A decisão dele estava prevista para o dia 18 de agosto, mas ele ainda não se pronunciou. Isso deve acontecer nos próximos dias, segundo a assessoria. Também há um agravo de instrumento impetrado nesta quinta. Como ele corre sob segredo de Justiça, o STJ não deu mais informações.
STF
O STF, por sua vez, informou que a defesa do casal Nardoni entrou com sete habeas corpus, todos analisados. Um deles é apenas para Alexandre. Dois foram indeferidos e os demais não tiveram seus méritos analisados. De acordo com a assessoria do Supremo, os advogados do casal entraram com um agravo de instrumento no dia 26 de agosto. O documento pede a nulidade da ação penal por conta do cerceamento de defesa. Ele será analisado pelo ministro Joaquim Barbosa.

Andréa
TJ PRIMEIRA INSTÂNCIA Nº do Processo incidente de autuação provisório 583.01.2008.002241-0/000009-000 04/09/2009 Aguardando Intimação - Intimação dos Defensores da data designada para o dia 28 DE SETEMBRO DE 2009, ÀS 14H30MIN. 04/09/2009 Aguardando Publicação - Publicação de Andamento com data de preparo 04/09/2009



Informação do Movimento Isabella Oliveira - Orkut

Lançamento do Portal da RENADE - Rede Nacional de Defesa do Adolescente em Conflito com a Lei


Essa é uma articulação nacional coordenada pelo Ilanud, que reúne defensores públicos, centros de defesa, além de advogados envolvidos com o tema em todo país.
O site foi lançado em Salvador, na semana passada, durante a II Oficina da Renade. A atividade é resultado de uma parceria do Ilanud com a Secretaria Especial de Direitos Humanos do Governo Federal.
Além do conteúdo das oficinas, o site disponibiliza um grande banco de jurisprudência, teses e estratégias de defesa.
Um dos resultados da oficina será a realização, em outubro desse ano, a semana nacional de Mobilização Nacional pelo Direito de Defesa, com ações em todo país que irão tratar dos seguintes temas:

- adolescentes internados em locais inadequados (como cadeias e presídios) e em situações inadequadas (superlotação, maus-tratos, medicalização);

- medidas contra a redução da maioridade penal.

A articulação para a Mobilização Nacional depende, além do engajamento dos profissionais, da divulgação das ações e iniciativas programadas.

Visite o site: www.renade.org.br

Psicólogos afirmam que os assuntos devem ser discutidos e não omitidos


O efeito da violência depende de cada criança. Algumas reagem de forma mais forte e outras, menos forte, mas é inegável, violência deixa sequelas

De acordo com a psicóloga, mestre em Educação e professora da Universidade de Fortaleza (Unifor), Terezinha Façanha Elias, assuntos como a violência física e psicológica não podem ser abafados, precisam ser discutido com os alunos em sala de aula. “O problema tem que ser evidenciado, pois é muito importante aproveitar este momento para ouvir as crianças, educadores, pais e, a partir daí, trabalhar com esses sentimentos”, afirma. Segundo a psicóloga Rosane Müller, também professora da Unifor, o efeito da violência depende de cada criança: “Algumas reagem de forma mais forte e outras, menos forte, mas é inegável, violência deixa sequelas”, ressalta. Para Rosane, os familiares devem ser os primeiros a tentar contornar o trauma. De acordo com ela, a psicoterapia é indicada para situações em que a família tenta e não consegue resolver. Na opinião de Terezinha, o encaminhamento depende da intensidade com que o trauma foi vivido, mas é preciso cuidar das pessoas envolvidas. Conforme Terezinha Façanha, caso uma criança do colégio tenha sido tocada de forma especial, ela também de ser cuidada. “Por isso, é importante discutir o assunto e não abafar”, disse a psicóloga.

Orientação - A psicóloga e professora do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Marilena Ristum, diz que a família da criança que apareceu em vídeo na internet em cenas de homofobia (ódio a homossexuais) deve receber orientação sobre os prejuízos que esta conduta pode ter sobre a formação do menino de apenas três anos. A psicóloga disse que um só episódio como o que foi divulgado não vai definir a formação da criança como um todo. "O que é grave é que, provavelmente, esse deve ser o padrão no qual essa criança está sendo criada", afirmou. A psicóloga opinou sobre o caso que levou o Grupo Gay da Bahia (GGB) a pedir investigação do Ministério Público sobre a veiculação do vídeo, que saiu do ar depois da denúncia.

GGB denuncia vídeo de teor homofóbico no site YouTube

Um vídeo divulgado no site YouTube, supostamente de teor homofóbico,fez comque o fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), Luiz Mott, entrasse ontem com uma representação no Ministério Público (MP) pedindo a retirada do material da internet. Um dia após acionar o MP, o vídeo intitulado Teteu: viado tem que morrer foi retirado do ar pelo usuário que o colocou.
Mesmo assim, Mott quer que o caso seja apurado pela Promotoria da Infância e da Juventude. Segundo ele, o audiovisual, que tem como protagonista uma criança de cerca de 3 anos sendo induzida por um adulto, é homofóbico.
"Durante o vídeo,um homem mostra um veado ao menino e pede que ele diga que viado (expressão vulgar que se refere aos gays) deve morrer", afirma o fundador do GGB.
De acordo com ele, é comum associar o veado animal ao termo viado, referência a homossexuais. "A discriminação é tão grande que, há alguns anos, um veado do zoo de Salvador foi morto a pedradas por supostos homofóbicos.
Outros casos já aconteceram no Brasil", destaca Mott.
Junto com a representação, o antropólogo e professor da Ufba entregou uma cópia do vídeo e o nome da pessoa que teria colocado o vídeo na internet.
"No Orkut dele, existem fotos do menino, que parece ser primo do autor do vídeo.
Na página,ele afirma que não terá primo "viadinho" e pagodeiro", relata Mott.

[O Povo (CE), A Tarde (BA), Maiza De Andrade – 04/09/2009]

Homem que confessou ter matado médica em Salvador é encontrado morto na Delegacia de Homicídios


SALVADOR - O homem que confessou ter matado a médica Rita de Cássia Tavares Martinez, 39 anos, após sequestrá-la junto com a filha de um ano e 8 meses em um shopping de Salvador foi encontrado morto na Delegacia de Homicídios na noite desta sexta-feira. O corpo de Gilvan Cléucio de Assis, 35 anos, foi encontrado por policiais na cela onde aguardava conclusão do inquérito.
Pela manhã, Assis havia participado da reconstituição do crime. Depois de contar como abordou a médica no estacionamento do Shopping Iguatemi, ele foi levado pela polícia ao local onde a vítima foi espancada e morta.
Mãe e filha foram sequestradas no dia 6 de agosto, quando deixavam o Shopping Iguatemi de Salvador
Assis foi preso ao se reapresentar na Colônia Penal Lafayete Coutinho, onde já cumpria pena de 22 anos por roubos, estupro e atentado violento ao pudor. Ele estava em liberdade para passar o Dia dos Pais em casa, pois recebeu o benefício da saída temporária. No dia 11 de agosto ele confessou o crime, após ser apresentado como o principal suspeito.
Os laudos divulgados pela polícia no último dia 25 indicam que Rita de Cássia foi vítima de muita crueldade . De acordo com os peritos, Rita de Cássia morreu em decorrência de lesões graves no tórax e principalmente na cabeça depois de ter sido atropelada . Os peritos não têm dúvida de que o carro passou diversas vezes sobre o corpo da médica. As várias marcas de atropelamento, de acordo com a polícia, foram causadas por movimentos de ida e volta do carro por cima da vítima.
Rita de Cássia tinha ainda marcas de socos no rosto. As marcas no pescoço levaram os peritos a concluir que o assassino tentou estrangular a médica com o colar que ela usava.
O laudo do IML mostra que ela não chegou a ser estuprada pelo seqüestrador, mas houve a tentativa de violência sexual. Ela teria sido encontrada com o vestido suspenso e a calcinha abaixada, segundo disse a delegada Andréa Ribeiro.
Câmeras do shopping gravaram o momento em que um homem saiu do estacionamento dirigindo o carro com as vítimas. Assis teria afirmado que atropelou a médica porque ela tentou fugir e havia negado tentativa de estupro. Ele foi submetido a exame de DNA e o resultado vai ser comparado com o de amostras de pele colhidas no corpo da médica.
Antes de surpreender a pediatra no estacionamento, o presidiário havia andado pelo corredor do shopping, onde parecia procurar por uma vítima. Em outro momento da gravação, Rita de Cássia aparece colocando a filha no banco de trás do carro, quando é abordada por Assis.
O criminoso levou apenas a carteira da médica, com cartões e documentos. Os demais pertences, como o celular, bolsa, aliança e corrente de ouro ficaram no carro.

Fonte: O Globo

Caminhoneiro e estudante são condenados por estupro de menina de 11 anos em BH


SÃO PAULO - Um caminhoneiro e um estudante foram condenados por estuprar, junto com mais sete menores de idade, uma menina de apenas 11 anos em Belo Horizonte. De acordo com o processo, a menina engravidou. O crime ocorreu em junho de 2004.
O juiz Narciso Alvarenga Monteiro de Castro, da 8ª Vara Criminal de Belo Horizonte, condenou o caminhoneiro a oito anos e nove meses de reclusão em regime inicial fechado, e o estudante, seis anos, porém, em regime inicial aberto.
Os dois argumentaram que a menina já estaria grávida e que a relação sexual ocorreu com consentimento da menina, que teria perdido a virgindade aos 9 anos. Para o juiz, o fato de a menina estar ou não grávida no dia dos fatos não diminui a gravidade do ato, pois se trata de uma acusação de estupro com violência presumida, por se tratar de menor. "Mesmo que a perícia não tenha constatado vestígios de violência, não significa que o crime não tenha ocorrido, pois a violência se presume por força de lei", explicou.
Para o magistrado, o fato de não ser a primeira relação sexual da menina não justifica o estupro. "Pouco importa. Um absurdo não justifica o outro", ponderou. "Aquele que praticou o fato há mais tempo, caso fosse apurado, também receberia uma reprimenda da lei e a correta reprovação social", completou.
O juiz afirmou na sentença que "não se pode compactuar com a devassidão dos costumes, devendo, cada um, responder na medida de sua culpabilidade". Os dois poderão recorrer em liberdade, mas o juiz assinalou que se houver "novas ameaças" a prisão preventiva será decretada.

Fonte: O Globo

MAIS ESTUDO, MENOS VIOLÊNCIA


Ao ampliar o turno de escolas encravadas em favelas cariocas, programa da prefeitura dá nova perspectiva a crianças que ficavam ociosas e expostas à criminalidade

Há tempos tornou-se um lugar-comum dizer que, na ausência do estado, o tráfico de drogas se transformou num poder paralelo nas favelas cariocas. Entre os muitos males dessa situação, talvez o mais terrível seja o contínuo aliciamento de crianças para o crime. Pois acaba de ser lançado pela prefeitura do Rio de Janeiro um programa que promete oferecer a essas mesmas crianças novas perspectivas de vida, afastando-as de um cotidiano violento. Nesse programa, a educação é o "poder paralelo". O Escolas do Amanhã abrange 73 favelas, 150 escolas, 108 000 alunos. Um de seus pilares é a adoção do turno integral, que mantém as crianças no colégio por sete horas e meia - quase o dobro do turno normal. Não se trata da primeira iniciativa que amplia a jornada de estudos em escolas brasileiras. Tampouco é a primeira vez que isso ocorre numa favela. Mas o Escolas do Amanhã também se destaca por sua ênfase na qualidade de ensino. Em outras palavras, sua filosofia é a de que não basta manter os alunos dentro dos muros do colégio - é preciso ensiná-los de maneira efetiva. Assim, cursos adicionais como xadrez, música, dança e mecânica serão ministrados nas horas extras - sempre que possível, estabelecendo ligações com o currículo regular. Mais importante, contudo, é o fato de que, no novo turno, os estudantes passarão a receber reforço escolar, emergencial num contexto em que muitos não sabem sequer ler. E ainda serão supervisionados, sempre que necessário, na lição de casa. "Num ambiente tão adverso, todo o esforço é para fazer com que as crianças gostem da escola e não abandonem os estudos - uma tentação permanente", diz a secretária de Educação, Claudia Costin.
Logo de saída, o programa promoveu avanços consideráveis na rotina de crianças como Lorrayne Pereira, 11 anos, e Jennifer Peixoto, 13, ambas moradoras da favela Cidade de Deus. O que elas costumavam fazer no tempo livre? "Via muita televisão", conta Lorrayne. "Ficava perambulando por aí. Quando ouvia barulho de tiro, voltava correndo para casa", completa Jennifer, que passou a preencher seu tempo de forma bem mais produtiva. Sem um adulto por perto, nenhum estímulo para os estudos e sob pressão para ganhar dinheiro, muitas dessas crianças ingressam precocemente no mercado de trabalho, quando não no tráfico de drogas da favela onde moram. Não dá para esperar que um programa desse tipo se encarregue de eliminar problemas tão enraizados na própria pobreza. A experiência mostra, porém, que sempre que se dão a essas crianças alternativas para que façam bom uso do tempo ocioso os índices de evasão escolar despencam. Avalia o economista Claudio de Moura Castro, articulista de VEJA e especialista em educação: "Projetos como esse, implantados em áreas de violência, ajudam a manter as crianças na sala de aula, o que já é um grande mérito".
Mais difícil é fazê-las aprender. Em muitas das escolas brasileiras que adotaram o período integral, o resultado foi pífio. Ocorreu, por exemplo, com os Cieps, espalhados no estado do Rio de Janeiro nas décadas de 80 e 90, e com outras escolas de princípio idêntico, só com nome diferente. Caso dos Ciacs, da era Collor, e dos Ceus, estes plantados mais recentemente em São Paulo pela ex-prefeita Marta Suplicy. Apesar do turno integral, nenhum deles brilhou no campo acadêmico. "Faltou um projeto pedagógico", diz a especialista Maria Helena Guimarães. "Só um bom colégio, afinal, consegue potencializar os efeitos do período integral." Ultraequipadas para absorver os alunos o dia inteiro, tais escolas são ainda difíceis de manter, já que seus custos fixos chegam a dez vezes os de um colégio comum. Por isso, a grande maioria dos Cieps retrocedeu ao velho modelo do ensino de um turno só, de modo a conseguir, pelo menos, receber mais estudantes. Nesse ponto, o atual programa do Rio leva vantagem. Ele não prevê prédios novos nem grandes instalações. Já está provado que nada disso tem impacto relevante no ensino.
A preocupação em estender o período de aulas, no entanto, deve ser mantida. No mundo inteiro, os brasileiros estão entre os que permanecem menos tempo na escola. Segundo dados da OCDE (organização que reúne os países mais ricos), eles têm cerca de metade das aulas de matemática de um aluno nos Estados Unidos ou na Coreia do Sul. Uma pesquisa do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas chama atenção para os benefícios que um eventual turno de cinco horas (no lugar do de quatro, como é mais comum no Brasil) traria para o ensino. Um exercício matemático com base na própria experiência brasileira mostra que isso, por si só, faria a média das escolas no Ideb - o indicador do Ministério da Educação - subir algo como 16%. É relevante. Qualquer pequeno acréscimo na nota (hoje em 4,2 numa escala de zero a 10) é dificílimo de ser alcançado. Parte-se do pressuposto de que, ao elevar o tempo na sala de aula, também estarão sendo proporcionadas aos estudantes novas oportunidades para que avancem. É o que já está acontecendo em escolas como a Professor Affonso Várzea, encravada no Complexo do Alemão, lugar dos mais violentos no Rio de Janeiro. Ali, numa aula de culinária, crianças de seus 10 anos aprendem a fazer conta multiplicando e reduzindo os ingredientes de uma receita de pizza. Diz Stefany Barreto, aluna da 3ª série do ensino fundamental: "Nunca tive tanta vontade de ir à escola". É um excelente começo.

Fonte: Veja.com

Mirante do Paranapanema (SP) terá toque de recolher


Jovens menores de 18 anos não podem ficar nas ruas depois da meia-noite na cidade de Mirante do Paranapanema, no Pontal do Paranapanema, no oeste paulista. Quem for encontrado depois da meia-noite será identificado. Depois, será orientado a voltar para casa. O toque de recolher recebeu a denominação de “toque de acolher”.
A medida vigora desde o último dia 17 de agosto, mas agora está sendo ampliada para proteger menores em situação de risco. O caráter da medida é de recomendação e não de coerção, segundo o promotor de Justiça, Marcos Akira. Uma equipe, com participação do Conselho Tuelar, divulga a medida em escolas e outros locais públicos. Folhetos também estão sendo distribuídos para orientar os menores e seus pais.



Jornal de Piracicaba

Mães de olho nos alunos até dentro do colégio

Na volta às aulas nas Escolas do Amanhã, 450 mamães vão atuar como inspetoras

Rio - O início das aulas ontem nas 150 unidades do programa Escola do Amanhã foi também o primeiro dia de trabalho para 450 mães de alunos contratadas pela prefeitura para ajudar a manter a ordem e a conservação nessas escolas, além de ajudar a tomar conta dos filhos delas próprias e de outros milhares de jovens.
São as ‘Mães Comunitárias’, que receberão ajuda de custo de R$ 100 por mês para dedicar quatro horas por semana auxiliando professores nas atividades do contraturno dentro e fora dos muros dos colégios.


Desde ontem, 108 mil alunos de escolas localizadas nas áreas mais violentas da cidade estão tendo aulas em período integral e programação diferenciada das demais, para tentar reduzir a evasão escolar e melhorar o desempenho dos alunos.
O novo modelo foi inaugurado ontem com a Escola Pedro Aleixo, na Cidade de Deus, pelo prefeito Eduardo Paes, a secretária de Educação, Cláudia Costin, e os secretários de outras pastas envolvidas no projeto. “Além do reforço escolar, essas crianças terão aulas de arte e oficina de esportes”, explicou a secretária.
A dona de casa Maria da Graça de Jesus foi uma das escolhidas para ser ‘mãe comunitária’. Moradora da Cidade de Deus, ela se dividirá com outras duas mães, Maria da Penha Adelaide, 42, e Simone dos Santos, 36, as tarefas de cuidar da conservação da Escola Pedro Aleixo. “Vamos cuidar para que os alunos não rabisquem as paredes, ajudar as professoras nas atividades culturais e o que é melhor: acompanhar de perto meus cinco filhos que estudam aqui”, contou Maria da Graça. “E ainda vou ganhar R$ 100 para ajudar nas despesas”.
Desempregada, a auxiliar de serviços gerais Simone, mãe de dois alunos matriculados na escola onde atua como inspetora, descobriu que, além de trabalhar em um projeto novo e ganhar por isso, vai poder acompanhar mais de perto os filhos e ajudá-los ainda mais em casa. “Assim vou poder vigiá-los 24 h por dia e participar mais da vida deles. Acompanhar tudo isso de perto faz toda a diferença”, disse Simone, que, depois de anos sem estudar, resolveu voltar às salas de aula para concluir os estudos.
Vestindo uniformes novos de cor azul, com o logotipo do programa, os alunos, do 1º ao 9º ano, chegaram para o primeiro dia de aula deslumbrados com os laboratórios.
Foi o primeiro dia de aula para alunos da educação infantil e do 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental, que tiveram as férias prolongadas por causa da gripe suína.
O prefeito Eduardo Paes, que visitou todas as salas da escola, disse que o projeto não é ‘filho’ só da Educação. “Sem a parceria de todo o governo seria impossível ter realizado esse projeto. Só vamos dar chance de futuro às nossas crianças se apostarmos na Educação”.
Vincent Defourny, representante da Unesco, uma das parceiras do programa, reafirmou que, para dar certo, as Escolas do Amanhã deverão contar com a participação não só dos educadores. “Só a Educação pode transformar as cidades e, ao mesmo tempo, a sociedade e o mundo todo, através de uma comunidade mais integrada e respeitadora das diferenças.
Esse é o papel não só da escola, mas também dos pais, dos bairros e das comunidades”, afirmou.Na solenidade de abertura do projeto, a Orquestra Sinfônica Petrobras, sob a regência do maestro Isaac Karabtchevsky, se apresentou.

Professores mais bem qualificados
Além do método de aprendizagem específico para os 108 mil alunos das Escolas do Amanhã, os professores dessas unidades também receberão qualificação diferenciada. Os 4 mil profissionais lotados nos 150 colégios estão sendo capacitados para lidar com crianças e jovens que apresentam dificuldades de aprendizagem em função da exposição à violência.
Eles terão, por exemplo, aulas de metodologia Uerê-Mello, criada para lidar com crianças e jovens com bloqueios e traumas em função da rotina de violência. “Estes professores estão sendo preparados, por exemplo, para identificar as vulnerabilidades desses alunos.
Todos os 150 coordenadores pedagógicos das unidades já foram capacitados nesta metodologia”, acrescentou a secretária municipal de Educação, Cláudia Costin.
Os professores ainda têm a oportunidade de receber um salário e meio a mais ano que vem, caso consigam melhorar o desempenho dos alunos.
O piso para quem leciona da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental é de R$ 1.110,93 por jornada de 22 horas e 30 minutos por semana.
Mestres de turmas do 6º ao 9º ano podem receber até R$ R$ 3.847,32 para R$ 40 horas semanais.
Para os estagiários que atuarão nessas áreas, a bolsa-auxílio é de R$ 600, R$ 200 a mais do que os outros.

Foco em atividades com a comunidade
Na programação das aulas ministradas nas escolas envolvidas no programa, estão, além da grade curricular padrão, igual às das outras unidades, atividades culturais, esportivas e educativas fora dos muros do colégio, em parceria com as comunidades que o cercam.
A ideia é aproveitar locais comuns aos moradores para aulas do contraturno, como quadras e parques. Outra grande aposta do programa são as aulas de Ciências, que ganharam um método inovador de aprendizagem da disciplina.
Todas as 1.555 salas serão transformadas em laboratórios para desenvolver nos alunos capacidades como o raciocínio lógico, comunicação e resolução de problemas



O DIA ONLINE

Como fazer trilha com as crianças


Confira dicas para tornar o passeio em meio à natureza uma experiência agradável para seus filhos

Se você adora fazer trilhas e pensa que seus filhos não podem acompanhá-lo, está enganado. As crianças podem, sim, ser uma excelente companhia para passeios em meio à natureza. Além de se divertirem e descobrirem coisas novas, elas também se exercitam e se aproximam do meio ambiente.
Como diz Luciano Castanho, da EcoGlobal, empresa que presta assessoria em trilhas, passeios na natureza são muito gratificantes para os pequenos.
“A atividade é um aprendizado, pois durante o passeio eles superam seus próprios limites”, diz. Para estimular o interesse das crianças, uma boa ideia é deixá-las frequentarem colônias de férias antes de partirem para uma trilha. “Esse é um bom começo, principalmente para aquelas que vivem em grandes cidades”, diz.

Para que a aventura dê certo, basta um planejamento adequado.

Confira nossas dicas:
-O primeiro passo é envolver a criançada na preparação da viagem. Mostre os mapas, ensine para que servem os equipamentos (como botas, barracas e lanternas), leia histórias de expedições... Faça tudo para instigar a curiosidade deles;
-Escolha trilhas adequadas e com metas fáceis de alcançar;

-Dê responsabilidades para a criança. Ela pode carregar a comida, levar o mapa, tirar fotos, escrever o diário da aventura...

-Procure tornar qualquer imprevisto uma diversão. Se não chegou ao cume, não importa. E não force seu filho a fazer tudo o que estava nos planos. Esteja preparado para mudar de rota e a fazer paradas com frequência;

-As crianças podem ficar com frio, cansadas ou aborrecidas mais rapidamente. Por isso, deixe que elas ditem a velocidade da caminhada;

-Caminhe em passos lentos, parabenize seus filhos pelos ganhos e incentive-os a parar e explorar o local toda vez que algo interessar. Se eles quiserem fotografar várias vezes a mesma árvore, deixe que façam isso;

-Encoraje as crianças a seguir regras rígidas de segurança, responsabilidades e impacto ambiental. A regra “tire apenas fotografias e deixe apenas pegadas” vale para os pequenos também;

-Prepare jogos, atividades e leve livros para o caso de um dia de chuva ou de pernoite;

-Escolha um saco de dormir que seja apropriado ao tamanho de seu filho e que esteja de acordo com o frio que vocês vão enfrentar;

O que usar:
-Para caminhadas de mais de um dia, use botas especiais, as quais devem ser amaciadas antes. Os calçados devem ser confortáveis, leves e flexíveis, com um solado aderente e, de preferência, com cano alto ou meio cano, que protege o tornozelo de torções. No caso de caminhadas de apenas um dia, com mochilas leves, um bom tênis pode servir. Dê preferência àqueles com meio cano, que dão uma proteção maior ao tornozelo;
-Dê atenção especial às meias e use sempre duas - uma fina e outra mais grossa por baixo. Cada estação pede um tipo de meia, mas nunca use uma 100% algodão, pois ela empapa e pode causar bolhas. Prefira materiais sintéticos, que deixam o pé sempre seco e funcionam muito bem em lugares úmidos, secos, frios ou quentes.
-Escolha as mochilas com cuidado e compre uma apropriada ao tamanho, peso e força da criança, levando em consideração a dificuldade da caminhada. Lembre-se de que elas não devem carregar mais do que 20% de seu próprio peso;
-Prefira roupas coloridas, o que facilita encontrar as crianças na trilha;
-Para caminhadas em lugares frios, vista as crianças com várias camadas de roupa: um material sintético junto ao corpo, uma camada intermediária de fleece (fibra polar) e uma externa de casaco. Por fim, escolha uma calça corta-vento (anorak).

Não pode faltar na mochila (na sua e na das crianças)
-Protetor solar
-Repelente
-Capa de chuva
-Boné
-Celular
-Apito, para chamar realmente a atenção durante uma emergência. As crianças podem usá-lo pendurado no pescoço e, desta forma, poderão acioná-lo a qualquer momento
-Lanterna (uma para cada integrante do grupo)
-Materiais de primeiros socorros
-Relógio;
-Mapa ou guia e bússola (aprenda a usá-los antes de sair de casa)
-Papel higiênico e saco de lixo
-Água e lanches
-Máquina fotográfica


site da Trilhas e Rumos;
blog Good4Kids;
Luciano Castanho, da EcoGlobal, empresa que presta assessoria em trilhas links patrocinados

Urubu albino roubado em Sergipe foi encontrado morto pela polícia


ARACAJU - O urubu albino furtado por três homens do Parque dos Falcões, localizado no município de Itabaiana, em Sergipe, foi encontrado morto pela polícia. Segundo informações do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol) os três tentaram comprar as aves do Parque, não conseguiram e resolveram fazer o roubo. Eles são investigados também por tráfico internacional de aves silvestres. A polícia encontrou apenas as carcaças das aves roubadas - além do urubu, um falcão coleira e um gavião. Segundo os suspeitos, as aves teriam morrido durante a fuga dos criminosos.
Para prender os ladrões, a polícia de Sergipe montou uma operação efetuada pelas delegacias regionais dos municípios de Itabaiana e Lagarto. Intitulada de Hayabusa (nome do pássaro mais rápido do mundo), a operação foi desencadeada nos estados da Paraíba e do Ceará. O líder da organização criminosa, Saulo Castelar Coelho, 21 anos, conhecido como Saulin, foi preso na cidade de Campina Grande. Já Pedro Guilherme Mendonça Magalhães, 19 anos, e Kayan de Vasconcelos, 18 anos, foram surpreendidos pelos policiais sergipanos na cidade de Fortaleza na última quarta-feira.
- A operação que realizamos com muita discrição foi um sucesso. Os três alvos que queríamos localizar foram presos, mas recolhemos as três aves mortas. A investigação ainda prosseguirá em Itabaiana, explicou o delegado Osvaldo Resende.
As investigações revelaram que os criminosos praticavam a atividade ilegal de falcoaria, que consiste em deixar falcões e gaviões sem alimentação durante dias para depois soltá-los para caçarem outros animais, especialmente outras aves. Depois de apanhada, a caça é devorada pelos seus caçadores ainda viva, exatamente como as Hayabusas agem.
- A falcoaria constitui-se crime no Brasil - garante Resende.



O Globo

O bonde do funk agora é cultura


Mas se liga aí novinha, por favor tu não se engane. Abre as pernas e relaxa. Que esse é o Bonde do Inhame. Que esse é o Bonde do Inhame. Esse é o bonde dos cria que enfogueta as novinhas. Esse é o bonde dos cria que enfogueta as novinhas. Vai na treta do Nem que a Kátia tá também eeemmm. Larga o inhame na Silvinha.

Essa letra edificante é exemplo tosco de um funk – o ritmo oficializado na terça-feira como “manifestação cultural” no Rio de Janeiro. Na Assembleia Legislativa, o funk saiu enfim da “tutela da polícia” e passou para o campo da Cultura. Agora, é ilegal a repressão policial aos bailes.
Eu não conhecia o “Bonde do Inhame” até uma semana atrás. No engarrafamento do Túnel Rebouças, no Rio de Janeiro, um motorista sem camisa fazia ecoar o batidão pelas janelas escancaradas. O asfalto tremia. Quem tinha criança no carro despistava para não traduzir “enfoguetar as novinhas” ou “ir na treta do Nem” – chefe do tráfico da Rocinha. A letra fazia apologia do tráfico, das drogas e da pedofilia.
Antes que os amigos do funk, os deputados, os acadêmicos e os jornalistas do funk digam que sou de elite e não gosto de “som de preto, de favelado, mas quando toca ninguém fica parado” (“Som de preto”, de Amilcka e Chocolate), queria dizer que nada tenho contra o funk popular e inocente. Tocado sem encher o ouvido alheio.
Entendidos dizem que o funk nasceu do cruzamento da cultura pop e da música negra americana com o cancioneiro popular nacional. “Existe muito preconceito. Acham que funk é coisa de favelado e estimula violência e consumo de drogas”, diz a antropóloga Adriana Facina.
Minha manicure vive na Rocinha. É mãe de uma menina de 9 anos. Perguntei o que ela acha da lei que torna o funk um movimento cultural.
“Cultura? É obscenidade, isso sim. Aqui em casa meus filhos estão proibidos de escutar ou cantar funk. As letras são pornográficas. Fico impressionada com mãe que deixa a filha ir nos bailes, de shortinho, top, tudo de fora, sainha sem nada por baixo. No fim dos bailes, todo mundo doidão, porque tem droga livre, botam funks pesados. Tem baile de domingo pra segunda até 7 horas, como se ninguém trabalhasse.”

Quem vai reprimir, no Rio, os bailes que fazem apologia do tráfico e da pedofilia?

Queria ver os intelectuais do asfalto morando ao lado de uma quadra com o pancadão varando a madrugada. Se a elite tem direito à Lei do Silêncio, por que os pobres têm de ficar surdos?
Para proteger minha amiga, não posso publicar seu nome. Todos têm medo. Mas, não é cultural? Quem desvirtuou o funk foram os chefes dos morros, não a sociedade civil. Eles se apropriaram de um ritmo legítimo. Hoje, muitos favelados associam funk a bandidagem.
Injusto generalizar. Mas quem fala não é elite. É mãe, trabalhadora, sem coragem de apoiar publicamente a repressão aos bailes. Qual seria o resultado de um plebiscito anônimo nas favelas?
Algumas músicas, vendidas em CDs por camelôs ou tocadas nas ruas, me foram enviadas por moradores de favelas. As letras são chulas, baseadas em estribilhos. Aí vai um exemplo: “Ela vira de frente e vem assim,…Vem x…eca, vem x…eca, bem gostosinho. Ela vira de costas, ô, empina pra mim, ô e vem assim. Vem c…inho, vem… (voz de menina) Você quer meu c…? Você quer minha b…?” (repetida ad nauseam). O funk diz sofrer o preconceito que o samba já enfrentou. É sacrilégio comparar o samba com letras de mulher-fruta e créééu.
O lobby da periferia terá de recuperar a imagem do funk nas comunidades. Adianta só condenar no microfone quem incita a crimes? Os líderes do movimento precisam expurgar quem demoniza os bailes. Um dos autores da lei que tira o funk das sombras, o deputado Marcelo Freixo (PSOL) sugere que o ritmo seja “instrumento pedagógico nas escolas”. Propõe “oficinas profissionalizantes de DJs”.
Não faz sentido mesmo vetar um gosto musical. Ou fechar os olhos a um fenômeno que movimenta R$ 10 milhões por mês no Rio e gera milhares de empregos, segundo a Fundação Getúlio Vargas. Mas que se instalem banheiros químicos, câmeras e isolamento acústico, que se proíbam os proibidões. Que se controlem horários. E se fiscalize o consumo.
Eu queria que inhame fosse uma raiz. Que os bondes fossem aqueles sobre trilhos. Que as novinhas continuassem a ser meninas. E que Nem não passasse de um advérbio de negação.


Veja também:
Funk faz milagre
Conselho Tutelar pede a retirada de cartazes de festa funk




Brasil Contra a Pedofilia

Pessoas com doença hereditária têm dificuldades no mercado de trabalho


O Brasil registra cerca de 480 casos de talassemia beta. A doença hereditária age no sangue, provocando palidez, fraqueza e anemia profunda. Para corrigir essa falha, o paciente precisa de transfusões de sangue periodicamente, diz Maria Stella Figueiredo, chefe do setor de anemia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).
"O único meio de tratar é com o transplante de medula óssea. A transfusão corrige a manifestação da doença, que é a anemia", explica a médica.
Merula Steagall, presidente da Abrasta (Associação Brasileira de Talassemia) é paciente de talassemia e há 43 anos frequenta bancos de sangue a cada dez dias. "É importante as pessoas saberem que há outras que só estão vivas graças ao ato solidário de quem doa sangue", conta.
Steagall fala também das dificuldades para manter uma vida produtiva no trabalho. "Às vezes, os empregadores não entendem que o portador de talassemia vai precisar faltar duas, três vezes por mês", conta.


Folha Online



Talassemia-Anemia do Mediterrâneo
É a chamada talassemia, uma doença hereditária que pode até matar

O QUE É
A talassemia (também conhecida como anemia do Mediterrâneo ou Microcitemia) é uma anemia hereditária causada pelo mau funcionamento da medula óssea, o tecido que produz as células do sangue.

COMO OCORRE
Um gene defeituoso, com o traço da talassemia, afeta a capacidade da pessoa de produzir hemoglobina.

A hemoglobina
É uma proteína existente em nossas células vermelhas (hemácias) que transporta oxigênio para todas as partes do corpo.


A medula do talassêmico produz glóbulos vermelhos menores e com menos hemoglobina, causando a anemia.




OS TIPOS
Menor
Uma pessoa com traço talassêmico não apresenta nenhum problema de saúde, exceto uma possível pequena anemia que não é corrigida com o uso de ferro (forma assintomática).
Maior
É a forma grave e mais rara da doença. O paciente precisa de constante transfusões de sangue e cuidados médicos intensivos.


A TRANSMISSÃO
A talassemia não é contagiosa nem é causada por deficiência na dieta, carência de vitaminas ou sais minerais.
A doença é hereditária. A transmissão é por meio da herança genética, quando o pai, a mãe ou ambos possuem um gene recessiva com o traço talassêmico e passam para o filho.
Os portadores possuem um gene normal e um talassêmico.
Os doentes carregam dos genes talassêmicos.

COMO PREVENIR
Por meio de exames de aconselhamento genético pré-natal de casais portadores.Pessoas com casos de talassemia ou descendência européia com casos de anemia crônica ou morte perinatal na família devem procurar ajuda médica em centros especializados para realizar estudo genético e planejamento familiar.

OS SINTOMAS
Aparentemente saudáveis ao nascer, as crianças desenvolvem ao longo do primeiro ano de vida os primeiros sinais de anemia que caracteriza a doença: palidez, desânimo, falta de apetite e baixo crescimento.A forma menor apresenta estes mesmos sintomas em graus que vão do moderado a quase nenhum.



Textos e Imagens Correio Braziliense

http://www.santalucia.com.br/


IMPORTANTE
Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.
As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.


Publicado por: Dra. Shirley de Campos

Britânica é julgada por manter 3 crianças como escravas nos EUA


Uma britânica de 63 anos se declarou inocente da acusação de ter mantido como escravas três crianças também britânicas em um rancho em Monroe, no Estado americano da Carolina do Norte.
Mercedes Farquharson havia sido indiciada por abuso infantil e servidão involuntária severos em 2006, mas conseguiu fugir e permanecer foragida até julho passado, quando foi presa na Bulgária.
Ela foi então extraditada para os Estados Unidos, onde seu julgamento teve início na noite de quinta-feira.
As vítimas - três meninas - foram libertadas em 2005, quando a situação foi descoberta por assistentes sociais que fizeram uma visita-surpresa à propriedade depois de suspeitas de vizinhos.
Uma delas era filha adotiva de Farquharson, e tinha 15 anos na época. As outras duas eram mais velhas e seriam filhas de sua melhor amiga, que as teria "dado" quando enfrentava problemas no casamento.
A polícia, no entanto, acredita que a situação de escravidão começou anos antes, quando a filha adotiva tinha cerca de 7 anos.

'Estranguladas'
Em uma entrevista dada em 2006, uma das meninas contou que Farquharson as obrigava a trabalhar no rancho, fazendo faxina e cuidando de animais, por até 20 horas diárias, sob a ameaça de apanhar ou de ficar sem comida.
“Ela nos batia com vara de bambu, com correias… Várias vezes ela estrangulava a gente”, disse a jovem.
A mulher também as impediu de ir à escola e de ter amigos.
As jovens agora vivem com uma mãe adotiva e não comentam mais sobre o caso.
Na audiência da quinta-feira, a promotoria revelou que Farquharson se dizia e ainda se declara uma espécie de “Deus”.
Segundo a emissora de TV WCNC, da Carolina do Norte, o promotor no julgamento, Peter Adolph, afirmou que o caso será uma “grande vergonha” para os Estados Unidos.



BBC Brasil

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Cartilha do Depoimento Sem Dano começa a ser entregue


A partir de hoje (4/9), os mandados de intimação para audiências em que crianças ou adolescentes vítimas de abuso sexual serão ouvidos pelo sistema do Depoimento sem dano (DSD) serão entregues aos responsáveis legais, junto com um exemplar da cartilha (detalhes no link abaixo) que prepara os menores que deverão depor na Justiça.
A publicação foi lançada recentemente pelo Juiz José Antônio Daltoé Cezar, titular da 2ª Vara da Infância e Juventude de Porto Alegre, para explicar o procedimento adotado desde a denúncia do agressor até o dia da audiência.

Conferência
O Juiz Daltoé participou de sessão plenária realizada no I Simpósio Internacional Culturas e Práticas Não-Revitimizantes de Tomada de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes em Processos Judiciais, em Brasília, nos dias 26, 27 e 28/8. A sessão foi coordenada pela Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude (ABMP) e debatida pelo Conselho Federal de Serviço Social (CFESS).
Sistemática
O magistrado apresentou o DSD, sistema implantado em maio de 2002 no Juizado da Infância e da Juventude (JIJ), sendo também utilizada pelas Varas Criminais e de Família. O projeto consiste em realizar a oitiva de crianças ou adolescentes suspeitas de sofrer abuso, coletando o depoimento em sala equipada com brinquedos e aparelhos de áudio e vídeo, onde um técnico especializado acompanha a criança e a questiona. Da sala de audiência, o Juiz de Direito, o Promotor e o Advogado acompanham a oitiva.
O objetivo do encontro foi aprofundar o conhecimento de modelos alternativos de depoimento especial não-revitimizantes de crianças e adolescentes. Durante os três dias do Simpósio, estiveram reunidas cerca de 200 pessoas da Argentina, Canadá, Cuba, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Brasil e Lituânia.
Porto Alegre foi a primeira cidade no Brasil a adotar um novo método de tomada de depoimentos especiais.

Para ler sobre a cartilha e pesquisa sobre vítimas de abuso sexual, acesse:
Cartilha Depoimento Sem Dano
Pesquisa Depoimento Sem Dano


JusBrasil

Pedófilo que aliciava menores pela internet é preso em Niterói


Um pedófilo que atuava em Niterói, na Região Metropolitana, foi preso, nesta sexta-feira, por policiais da Delegacia de Repressão ao Crimes de Informática (DRCI). Ele agia em Piratininga, Itacoatiara, entre outros locais da Região Oceânica daquele município.
O homem é acusado de aliciar menores pela internet e depois marcar encontros com eles. Os agentes apreenderam um computador com as conversas do pedófilo com as crianças, além de fotos.


SRZD

Academia Brasileira de Neurologia faz campanha de esclarecimento sobre a epilepsia


RIO - Todo ano, 150 mil pessoas são diagnosticadas com epilepsia no Brasil. Pensando nos cerca de 4 milhões de brasileiros com a doença, a Academia Brasileira de Neurologia faz este mês uma campanha para ajudar a esclarecer as principais dúvidas sobre o distúrbio neurológico. Segundo o coordenador do departamento de epilepsia da ABN, o neurologista Wagner Teixeira, um dos principais problemas no tratamento ainda é a falta de informação.
- As pessoas precisam entender que não é uma doença infecciosa, não transmite e não tem a ver com religião - alerta o médico.
Somente nos cinco primeiros meses desse ano, o Sistema Único de Saúde registrou 17.084 internações em decorrência de epilepsia , um número 11% maior em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Saúde.

Entenda as causas da doença
Uma das doenças neurológicas mais frequentes, a epilepsia é caracterizada por alterações nas atividades elétricas cerebrais. Ela pode se manifestar de várias formas, como um período de ausência ou a conhecida crise convulsiva.
A doença atinge, sobretudo, pessoas de até 25 anos e com mais de 65 anos. A epilepsia também é mais comum em homens. Em países desenvolvidos, estima-se que a patologia incida em cerca de 1% da população. Nações ainda em desenvolvimento, por sua vez, apresentam o dobro de casos - reflexo de um cenário mais elevado de desnutrição, doenças infecciosas e dificuldade de acesso à assistência médica.



O Globo

Estudo registra região mais fria do mundo na Antártida


O lugar mais frio do mundo fica em uma planície da Antártida, constatou um estudo divulgado na revista Publications of the Astronomical Society. A região conhecida como Ridge A, a 4.053 m acima do nível do mar, registra uma média de temperatura no inverno em torno de -70°C e é uma das mais secas do mundo.
A pesquisa foi realizada para determinar o melhor local para se a instalar um novo observatório astronômico. A calma extrema nessa localização significa que não existem turbulências atmosférias no céu que possam atrapalhar as observações estelares, afirmou Will Saunders, do Observatório Anglo-Australiano, que dirigiu o estudo.
Segundo os cientistas, a instalação de um observatório naquela região poderia produzir imagens superiores às entregues por outros telescópios do mundo, como o do deserto de atacama, no Chile, e do Havaí, nos Estados Unidos.
"As imagens astronômicas captadas em Ridge A devem ser três vezes mais claras que nos locais atuais", afirmou Saunders. "Em Ridge A, o céu é tão escuro e seco que um telescópio de porte médio seria tão poderoso quanto os melhores do mundo", indicou.
O interesse na Antártida para se fazer observações astronômicas aumentou desde 2004. Na época, cientistas do Observatório Anglo-Australiano publicaram um estudo, apontando que Ridge A permitiria a produção de imagens estelares com tanta claridade quanto as do telescópio espacial Hubble.


Com informações da agência EFE

Terra Chile

Sexting: Não caia na rede!


Saia justa de ter fotos íntimas divulgadas na web não é privilégio de celebridades

O que Paris Hilton, a atriz de High School Musical, Vanessa Hudgens, e Ashley Greene, a vampira Alice Cullen, de Crepúsculo, têm em comum?
Todas tiveram fotos ou vídeos seus em momentos íntimos que foram parar na internet.
O que despertou a atenção do Kzuka é que, há tempos, essa tremenda saia-justa deixou o mundo das celebridades para alastrar-se como um vírus entre a galera.
O ato de fotografar ou filmar corpos nus ou seminus, e depois postar o resultado na internet, ganhou até um nome, que hoje é tema de pesquisas no mundo inteiro: sexting – junção de sex e texting, ou seja, sexo e envio de mensagem por celular.
Em uma pesquisa publicada em dezembro passado, nos Estados Unidos, ficou claro que o sexting é uma prática muito comum por lá. Segundo o estudo, um em cada cinco jovens americanos com idade entre 13 e 19 anos já enviou pelo celular algum tipo de foto ou vídeo de si mesmo nu ou seminu.
Entre a galera de 20 a 26 anos, o fenômeno é ainda mais comum: um terço dos entrevistados declarou já ter praticado o sexting. Por aqui, não há nenhuma pesquisa do tipo, mas não é preciso procurar muito para encontrar vários casos.
– É fato que o adolescente precisa da aceitação do grupo, e uma forma de conquistá-la é pela sua ousadia. E qual é o meio que a galera se comunica? É a internet. Então, a ousadia será, provavelmente, via internet – explica a terapeuta sexual Izabel Eilert.
Se Paris Hilton ganhou fama internacional após um filme no qual faz sexo com o ex-namorado cair na rede, na grande maioria dos casos o desfecho não é muito legal. O mais famoso – e trágico – rolou com uma americana de 18 anos que no ano passado suicidou-se depois que fotos suas nuas foram parar na internet. Um mês depois, uma italiana de 16 anos teve o mesmo desfecho.
Em entrevista à revista Veja desta semana, o americano Daniel Solove, autor de diversos livros sobre privacidade, alerta para o maior risco da superexposição da intimidade da gurizada: o arrependimento. Segundo ele, a galera que pertence à chamada “geração Google” terá seu passado acessível ao clique dos internautas, sem poder deletar os detalhes mais humilhantes. Tudo o que se faz na vida virtual pode impactar na vida real.
– Com a divulgação dessas imagens, a garota marca a vida dela. O problema é que ela não tem essa percepção aos 13, 14 ou 15 anos. A vida da guria, naquele momento, é o fulaninho que pediu pra fotografá-la ou filmá-la. Sem falar que os pedófilos estão ali esperando por este material. Mas o adolescente não tem a dimensão, a maturidade emocional e nem a experiência pra saber dessa malandragem – diz Izabel.
E por que o número de casos de fotos e vídeos íntimos que caem em domínio público só tem aumentando, já que todos sabem que essa história quase nunca tem final feliz? Para a terapeuta, o grande problema é a falta de limites da galera aliada a sua imaturidade.
– Hoje a galera pode transar via internet. Não existe mais censura e o sexo não tem mais limites definidos. Para eles, não têm limites. Esse é o grande risco – explica, acrescentando: – Sem falar que os jovens não tem maturidade pra avaliar o que é privado. O adolescente tem essa coisa onipotente. Ele transa sem camisinha, mas ele não pega nada. Ele usa drogas, mas eles não se vicia. Por isso, ele também mandam a foto, mas é só pro namorado, porque duvida que ela vá parar na internet.
Esta semana, quando publicou em primeira mão as fotos nuas da atriz Ashley Greene, o blogueiro Perez Hilton fez uma brincadeira que serve de alerta à galera:
– Não tire fotos nua a menos que você queira que sejam divulgadas, porque elas serão!!!

Dicas para a galera
– Saiba que as mensagens e fotos que você postou na internet podem ser passadas adiante
– Nunca repasse fotos ou vídeos com conteúdo sexual. Resista à pressão de amigos curiosos que desejam ver as imagens ou vídeos eróticos que chegaram até você
– Se você é guria, não ceda aos pedidos dos guris para escrever conteúdo erótico ou mostrar partes do corpo pela webcam ou por fotos
– Leve em consideração a reação de quem receberá sua mensagem ou foto. Um comentário com conteúdo sexual parece engraçado para quem escreve, mas pode soar ofensivo para outros
– Lembre-se de que nenhum conteúdo que circula pelo celular ou pela internet é realmente anônimo. Fotos, mensagens e informações como e-mail e telefone podem cair na mão de estranhos que querem bisbilhotar sua vida

Não se esqueça: isso também é crime!

Você se julga inocente por (só) ter encaminhado para a sua lista de amigos as fotos nuas da guria do colégio? Então caia na real. De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), vender ou expor fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica de crianças e adolescentes pode acarretar até oito anos de prisão. Transmitir, distribuir, publicar, armazenar, entre outras coisas, também são proibidos.
– Toda e qualquer pessoa, pra acessar a internet, tem que estar veiculada a uma máquina. Essa máquina tem um IP, que a identifica. Hoje, existe a possibilidade de rastrear de qual IP saiu o material, além de os provedores serem obrigados a disponibilizar esses dados pra Justiça. Então, se existe essa sensação de impunidade, ela é uma falsa sensação, porque, de alguma maneira, a gente acaba chegando aos culpados – explica a delegada Suely Rech, da Delegacia para a Criança e o Adolescente de Caxias.
Caso a vítima seja maior de idade, os culpados respondem ao Código Penal.
– Ainda não existem crimes específicos para a internet, então se usa os crimes do Código Penal. Os casos que nós temos na Delegacia da Mulher são de algumas moças que tiraram realmente as fotos e outras de montagens feitas a partir de uma foto só do rosto da vítima. Então, esses casos podem ser enquadrados em crimes contra a honra. Mesmo se a moça tirou as fotos, não é permitido a ninguém divulgar suas imagens. Também é crime propagar essa informação – explica a delega Thaís Sartori Postiglione, da Delegacia para a Mulher.
Para Suely, o mais importante é não dar margens para o azar:
– A primeira dica que eu deixo é nunca fazer nenhuma foto que possa vir a ser utilizada nesse sentido. Quem tem que preservar a sua intimidade, a sua vida privada, é você mesmo. Mas há algumas fotos que são montagens, não podemos esquecer disso – diz.

Para seu pai ler!
Você, pai ou mãe, provavelmente está lendo essa matéria e já está de cabelos em pé. É compreensível, já que uma situação dessas seria inimaginável até o surgimento da internet. Para a terapeuta Izabel Eilert, você não deve esperar seu filho crescer para impor limites. Como vocês mesmo costumam dizer, é de pequeno que se entorta o pepino.
– O adolescente, em geral, não ouve mais os pais. É a criança que devemos ensinar a pensar, para que depois não escolham o caminho errado. Tem que desligar a internet da criança e explicar por que aquilo é perigoso. Se a criança aprende a pensar, ela introjetou limites e não entra nessas roubadas – explica.
Sabemos que para vocês, papais, os filhos são sempre bebês. Mas seguem algumas dicas para você ajudar seu filho a não entrar nessa canoa furada.
. Converse com seu filho sobre o tema. Pergunte o que ele acha sobre esse fenômeno e quais as consequências que ele pode acarretar.
. É importante ter conversas com seus filhos sobre confiança e respeito e o que significa realmente confiar em alguém.
. Ajudar a aumentar sua própria auto-estima ressaltando suas qualidades. Provavelmente isso fará com que seus filhos não busquem reconhecimento lá fora.
. Conversar sobre sexo, ser aberto e honesto sobre o que está acontecendo com os adolescentes na atualidade.
. Mostre-lhe que a vida é feita de escolhas e que temos que arcar com as consequências. Sempre.

Histórias de que não tiveram final feliz
1) O caso mais famoso rolou em julho do ano passado, quando uma guria americana se suicidou depois de um escândalo de sexting. Jessica Logan, então com 18 anos, fotografou-se sem roupa e enviou pelo celular as imagens para presentear o namorado. Quando o relacionamento de dois meses terminou, o guri não hesitou em compartilhar as imagens com os amigos de seu colégio, na cidade de Cincinnati. A foto de Jessica percorreu sete colégios. Chamada de “piranha” e “vagabunda”, entrou em depressão e começou a faltar às aulas. Até que se enforcou. Seus pais lutam por uma legislação para julgar os desdobramentos do sexting.
2) Uma guria italiana de 16 anos, que teve suas fotos divulgadas na internet, teve um desfecho trágico em agosto de 2008, quando suicidou-se usando a arma de seu pai. Tudo começou em 2006, quando várias fotos intimas da garota vazaram na net. Na ocasião, a Justiça investigou vários

ROBERTA RECH


KZUKA RS

‘Roger Abdelmassih é o Nardoni da vez’


Uma pergunta cricri até para quem se diz despido com a mão no bolso de preconceitos: por que o ilustre ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, resolveu emprestar seu prestígio à defesa do dr. Roger Abdelmassih? A essa altura, até mesmo quem bateu a moringa na quina da pia e perdeu a memória já deve saber que o médico, maior especialista tapuia em reprodução assistida, está sendo acusado de estuprar 39 pacientes.
As denúncias de estupro colocaram em dúvida todos os procedimentos éticos utilizados pela clínica do dr. Roger e trouxeram à tona suspeitas de irregularidades que devem estar tirando o sono de qualquer casal que já tenha ido bater à porta do seu consultório.
Como os índices de fertilidade apresentados por sua clínica são altíssimos para qualquer padrão do planeta -e como já surgiram testemunhas dizendo que ele propôs o uso de óvulos de doadoras que fossem geneticamente semelhantes ou de sêmen retirado de um banco de esperma sem que isso fosse de conhecimento dos maridos -, a questão do estupro acaba ficando em segundo plano para outra tragédia, de proporções kafkianas.
O advogado titular do caso, José Luis de Oliveira, notou que "o dr. Roger Abdelmassih atendeu mais de 20 mil mulheres durante sua carreira e fez mais de 5.000 crianças".
Imagine o que não deve ter de gente sem dormir pensando na possibilidade de o médico ter incorrido em manipulação genética. Quantos casamentos não poderão ser desfeitos, filhos rejeitados, avós arrasados ou famílias destruídas. Ou, se isso tiver mesmo acontecido, quantos irmãos não estarão correndo o risco de casar entre si?
Das mulheres que prestaram queixa contra o dr. Roger, não há nenhuma jovenzinha. Estão todas chegando na casa dos 40 ou mais. Especulação minha, claro, mas imagino que isso signifique que a cliente típica do dr. Roger chegava ao consultório dele depois de cerca de dez anos de tentativas frustradas de engravidar. Dá para ter uma ideia do estado de fragilidade em que essas mulheres se encontravam quando ele as recebia pela primeira vez?
O outro lado da moeda é que o custo de certas ousadias é sempre alto. Se o dr. Roger ajudou suas pacientes a escolher a cor dos olhos ou o sexo de seus bebês, ele agora é o pesadelo "mengeliano" a que está sujeito quem brinca com fogo.
Mas, voltando à pergunta sobre Thomaz Bastos, cito Evaristo de Moraes Filho: "Principalmente na defesa dos odiados, o advogado deve empenhar-se com redobrado ardor, para que as garantias legais dos acusados não adormeçam no papel".
O próprio Rui Barbosa, patrono dos advogados do Brasil, já alertava que "a justiça começa a correr perigo quando o crime é considerado detestável, despertando a cólera popular".
Pois então que Márcio Thomaz Bastos use de sua larga experiência para saciar sua vaidade e garantir ao réu todos os seus direitos. A nós, leigos, resta ao menos uma certeza: inocente ou não, Roger Abdelmassih vai sair dessa bem mais pobre.

por Barbara Gancia
da Folha de S.Paulo



Paulopes Weblog

Amadurecimento precoce afeta crianças


É certo que o mundo está mudando cada vez mais rápido. Mas nem todas as transformações que vemos no dia a dia são positivas. É comum nas grandes cidades, por exemplo, você entrar num shopping ou em qualquer outro lugar público e ver meninas de seis, sete anos, vestidas como mulheres. Às vezes até meninas mais novas do que isso usando maquiagem e sapato de salto alto. Muitos pais não só permitem como incentivam esta atitude.
Pode parecer ”bonitinho” num primeiro momento, mas os pais não percebem que esta atitude pode interferir no ciclo natural de amadurecimento das crianças. Para piorar, a vida de algumas crianças parece a de pequenos executivos, com tantas atividades cotidianas que não sobra tempo para brincar ou descansar, o que é muito importante nesta fase da vida.

Este amadurecimento impositivo não faz bem.

Outra situação que é preciso se levar em conta é a alta carga de informações eróticas que elas recebem através de programas de TV, propagandas, revistas, internet e outros meios de comunicação.
Este excesso de erotização ajuda a provocar um descompasso entre o amadurecimento intelectual e o amadurecimento físico. Eles aceleram o processo mental e glandular. Os pais precisam estar atentos com a saúde de seus filhos.Pesquisas realizadas em países da Europa e também no Brasil mostram que a idade média da primeira menstruação nas meninas, no início do século passado, variava entre 14 e 15 anos.
Hoje a menstruação chega mais cedo, entre 10 e 11 anos. No caso dos meninos, por exemplo, a alimentação inadequada na infância provoca aumento de peso. O aumento de gordura na região do abdome esconde parte do pênis dando a impressão equivocada, na maioria dos casos, de que o pênis é menor do que realmente é, provocando desconforto ao garoto.
As pesquisas apontam que o motivo pode estar relacionado aos estímulos comportamentais como a erotização precoce proporcionada pelos meios de comunicação e também às mudanças nos hábitos alimentares.
A alimentação inadequada interfere na formação dos hormônios. É importante que os pais e professores tenham esta consciência e percepção.
O amadurecimento saudável precisa ser de forma contínua e não aos pulos, sem medo e sem culpa. Não se deve forçar para que as crianças fiquem adultas antes do tempo correto. E do outro lado não se deve ser adolescente a vida toda.

Dr. Marcio Dantas de Menezes é médico especializado em Cirurgia Geral e Sexologia


Sexo e Comportamento

Maria da Penha pede punição pelo atraso de seu processo


Em audiência pública na quinta-feira, em Fortaleza (CE), Maria da Penha Maia Fernandes, que deu nome à lei de combate à violência contra a mulher no Brasil, pediu ao Conselho Nacional Justiça (CNJ) a responsabilização das pessoas que “provocaram a demora injustificada” do seu processo de reparação da violência doméstica que sofreu por parte do ex-marido.
“Precisamos conhecer as pessoas que trabalham contra a Justiça neste País”, reivindicou. Na ocasião, ela também fez um manifesto em favor da efetividade da Lei Maria da Penha. “Com a reforma do Código de Processo Penal, a lei vai deixar de existir. Não se pode enfraquecer esta lei, que tanta importância trouxe à sociedade”, destacou.
O caso de Maria da Penha tornou-se um símbolo na luta pela eliminação da violência contra a mulher no Brasil. Depois de ser violentada pelo ex-marido durante 14 anos, ela entrou com um processo contra o agressor em 1997, o qual demorou quatro anos para ser concluído.
Com o término do processo, além da prisão do agressor, ela obteve uma reparação simbólica. Maria da Penha também promoveu mudanças legislativas, com a criação da lei que ampliou o acesso das mulheres à Justiça e criou medidas concretas para combater a violência dentro de casa.
“Essa lei garante às nossas filhas e netas maior dignidade e um futuro sem violência”, destacou. Segundo ela, a lei não serve para punir os homens, mas sim os agressores.
“Quem é contra ou não conhece a realidade de violência no País ou é um agressor”, completou. Ela parabenizou a iniciativa do CNJ em promover uma audiência pública para conhecer os problemas enfrentados pela população.



Terra e Wikipédia

Brasuca faz proposta a quem pensava ser prostituta


Essa aconteceu na maior comunidade brasileira de Massachusetts, em Framingham, local de residência para quase 20 mil brasileiros. Era começo da noite de quinta-feira, 27 de agosto, uma mulher vê um homem andando próximo a uma filial da farmácia CVS. Ela interpela o moço, pedindo US$ 2 emprestados. Ao invés de atender o pedido, conta o tenente de polícia Paul Shastany, o homem faz uma proposta: “Ele perguntou a ela: ‘que tal US$ 20 por sexo?’” diz Shastany.

Segundo o policial, o homem ainda teria tentado convencer a mulher a atravessar um estacionamento com ele em direção a uma residência próxima do local. Mas a mulher declinou do convite. A identidade da mulher não foi revelada. Mas o homem que fez a proposta indecente foi o brasileiro Amarildo da Silva, de 38 anos. Amarildo não só confundiu a mulher com uma prostituta, mas também estava com muito azar.

Isso porque uma unidade da divisão anti-crimes urbanos passava pelo local.

A mulher chamou os policiais, que perguntaram o que Amarildo planejava em fazer com ela. “Ele disse que iria doar US$ 20 a ela,” disse Shastany. Amarildo da Silva foi preso e acusado de “ter oferecido dinheiro por sexo.” Por concentrar variados grupos de assistência a drogados e a inválidos, é comum ver na região do centro de Framingham alguns transeuntes com deficiências físicas ou mentais.

Segundo o psicólogo Roberto Toledo, a comunidade brasileira nos EUA esconde altos índices de depressão causada pela solidão. Uma pesquisa organizada com recursos da fundação MetroWest HealthCare está monitorando as necessidades de serviços psicológicos para os imigrantes de Framingham e região.

“O brasileiro ainda acha que assumir que se tem problema mental é coisa de maluco. Mas essa comunidade fica pressionada entre a pressão do trabalho e a saudade da família. Um campo fértil para a depressão aparecer,” disse Toledo. Nos EUA, a prostituição é ilegal em todos os estados, exceto em dois deles: Nevada e Rhode Island.

Em Massachusetts, o crime de “solicitar sexo em troca de compensação” é citado no capítulo 272 da lei de “moralidade, decência e manutenção da ordem,” e prevê pena de prisão de até um ano, e multa de até US$ 500, ou ambos.Amarildo da Silva compareceu na Corte Distrital de Framingham na sexta-feira, 28, onde se disse inocente. Ele foi liberado sem precisar de pagar fiança, mas terá que voltar à corte para uma sessão de pré-julgamento no dia 7 de outubro.



Brasil com Z

O BOLO DE ANIMAIS DE ANA MARIA




No programa 'Mais Você' da última terça-feira, Ana Maria Braga cometeu uma gafe ao afirmar que a castanha-do-pará, ingrediente que usava para preparar um bolo, fazia parte da FAUNA brasileira. Menos Ana Maria, menos...


Blog Antena Parabólica

Ministério da Saúde admite que não havia Tamiflu para as farmácias


BRASÍLIA - O diretor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, informou nesta quinta-feira que o laboratório produtor do medicamento Tamiflu deve distribuir o remédio para farmácias e drogarias em 2010. Ele disse que o medicamento só não chegou aos estabelecimentos comerciais antes porque não havia estoque para suprir a demanda. Ele rebateu as críticas de que a pasta tenha concentrado toda a produção.

- O próprio laboratório priorizou a demanda do Ministério, o que foi correto. Na medida em que foi aumentando a sua capacidade, ele informou que vai ter disponibilidade de atender nossa nova demanda, bem como comercializar o medicamento. A partir do momento em que oficializarem, vamos nos manifestar mas não há nenhum problema - disse ele, ao participar de audiência pública na Câmara dos Deputados.
O controle da venda do remédio em farmácias e drogarias, segundo ele, será de responsabilidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O medicamento só será vendido mediante prescrição médica e monitoramento..
O Brasil lidera o número de vítimas fatais por gripe suína. Boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira, mostrou 657 mortes, cem a mais do que os Estados Unidos, que vinham liderando a estatística.

Defensoria vai pedir indenização para familiares de mortos
O defensor público da União André Ordacgy disse que vai entrar com uma ação civil pública pedindo 300 salários-mínimos de indenização, por danos morais, para as famílias dos mortos pela gripe suína. No fim de julho, ele já tinha entrado com uma outra ação - para que todos os pacientes tivessem acesso ao medicamento contra a doença de forma livre. Há duas semanas, o pedido de liminar fora negado pela 15ª Vara Federal.
- É lamentável que tenham tomado uma decisão dessa depois de tantas mortes - disse o defensor.
- Duas famílias já recorreram. Estou aguardando o fim da epidemia, previsto para outubro, conforme orientação de especialistas, para elaborar a nova ação.
A decisão de entrar na Justiça com pedido livre acesso ao Tamiflu recebeu o apoio oficial do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, com base na informação de especialistas de que o uso do medicamento só seria eficaz nas primeiras 48 horas. Com base em relatos de profissionais, Ordacgy disse acreditar que, se o medicamento fosse ministrado em casos que, a princípio não são graves, talvez tivéssemos um número reduzido de casos.
Na ação, ele também contestou a decisão de concentrar a realização dos exames somente em centros de referência.



O Globo

Promotoria recomenda a manutenção da prisão preventiva de Abdelmassih


Justiça deve decidir nesta sexta (4) se médico continua preso. Abdelmassih está preso desde o dia 17 de agosto.

A promotoria de São Paulo recomendou nesta quinta-feira (3) a manutenção da prisão preventiva do médico Roger Abdelmassih. Ele está preso desde 17 de agosto e suspeito de ter estuprado mais de 50 mulheres de sua clínica de fertilização, localizada em um bairro nobre da capital paulista.
A Justiça decide nesta sexta-feira (4) se ele continua preso ou aguarda julgamento em liberdade. Os três pedidos de habeas corpus anteriores, em instâncias distintas, foram negados pela Justiça. A defesa de Abdelmassih entrou com um pedido de reconsideração da ordem de prisão contra o médico na segunda-feira (31). Junto do atual advogado, José Luís Oliveira Lima, o pedido é assinado pelo criminalista e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos. Segundo José Luís Oliveira Lima, a defesa, no pedido entregue à juíza titular da 16º Vara Criminal de São Paulo, Kenarik Boujikian Felippe, ratificou os argumentos apresentados no pedido de habeas corpus, mas desta vez acrescentou a decisão do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), que, dias depois da prisão, suspendeu o registro profissional do acusado. “Era um dos argumentos do Ministério Público ao pedir a prisão: impedir que ele continuasse exercendo a profissão. Agora não há mais esta justificativa”, explicou. No dia 24, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o habeas corpus pedido pela defesa do médico. A decisão da ministra Ellen Gracie, relatora do caso, indeferiu o pedido, argumentando que, caso o Supremo decidisse o caso, haveria a chamada supressão de instância - quando tribunais superiores decidem sobre temas que ainda não foram julgados de forma definitiva nas instâncias inferiores. O advogado que representa o médico havia entrado no STF com o recurso em que pedia liberdade a Abdelmassih no dia 22, após a Justiça paulista e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) terem negado habeas corpus ao médico.

65 vítimas
De acordo com a delegada titular da 1ª Delegacia de Defesa da Mulher, Celi Paulino Carlota, 65 mulheres já procuraram a Polícia Civil afirmando terem sido vítimas de Roger Abdelmassih. O advogado José Luís de Oliveira Lima nega todas as acusações contra o médico. O médico também é investigado por suposta manipulação genética. Ele foi indiciado em junho pela Polícia Civil, sob suspeita de estupro e atentado violento ao pudor. Abdelmassih está preso em um presídio de Tremembé, a 71 km da capital paulista.



G1

Julgamento do casal Nardoni só deve ser em 2010, diz promotor do caso Isabella


Francisco Cembranelli afirma que previsão inicial era novembro deste ano. Defesa dos acusados de matar Isabella diz que recursos não visam demora.

O julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, acusados de matar a menina Isabella em 2008, só deve ocorrer em fevereiro de 2010, informou nesta quinta-feira (3) o Ministério Público de São Paulo. Antes, a previsão da Justiça é que o casal fosse a júri popular ainda neste ano, algo próximo de novembro. O promotor do caso Isabella, Francisco Cembranelli, atribuiu essa demora a uma série de recursos impetrados pelos advogados do casal. Para ele, a defesa está atrapalhando a celeridade do julgamento. Foi Cembranelli que denunciou o pai e a madrasta da menina pelo assassinato dela. Em 29 de março de 2008, Isabella, então com 5 anos, foi jogada da janela do apartamento do casal, no sexto andar de um prédio no bairro do Carandiru, na Zona Norte de São Paulo. Os acusados, que estão presos, negam o crime. Alegam que uma outra pessoa entrou na residência e matou a criança.
“O julgamento tinha tudo para ser nesse semestre, mas a defesa recorreu do acórdão que mantém o julgamento popular. Para se ter uma ideia, tem recurso que demorou dois meses para ser julgado”, disse o representante da Promotoria, que falou ao G1 por telefone. “Acreditei sempre que fosse possível fazer julgamento até novembro de 2009. Mas se nada acontecer de novo, acho que fevereiro 2010 seja a data escolhida. Isso é extra-oficial. É apenas uma previsão.”

Versão da polícia
A acusação se baseia em provas periciais produzidas pela Polícia Civil. Para o Ministério Público, Anna Jatobá esganou a enteada e Alexandre jogou o corpo da filha pela janela. Antes, o casal teria cortado uma tela de proteção.
“Num exemplo comparativo, o caso Suzane Richtoffen demorou 4 anos para ser julgado. O caso Gil Rugai faz quase 5 anos que aconteceu e ainda não tem data certa de julgamento. Isso ocorre por causa dos pedidos e recursos dos advogados de defesa”, afirmou Cembranelli. Sobre o caso Isabella, o promotor informa que a defesa tem a possibilidade de entrar com um pedido de agravo. “E isso [agravo] foi para Brasília. Chegou ao STJ [Superior Tribunal de Justiça] e Supremo [Tribunal Federal] no último dia 26 [de agosto]. São pedidos que contestam o que foi apresentado pela acusação”, disse.

Outro lado
O advogado Roberto Podval, que defende o casal, afirmou neste sexta (4) que os recursos que a defesa impetra a favor de Alexandre e Anna Carolina buscam a verdade e não atrapalhar o julgamento.
"Se a busca da justiça leva a demora, melhor que seja assim. Porque estamos buscando o que é correto. Os processos rápidos não são os melhores processos. Estamos questionando um monte de atos que deveriam ter sido questionados antes e não foram”, disse Podval por telefone.

STJ
A assessoria de imprensa do STJ informou que três pedidos de habeas corpus feitos pela defesa do casal já foram analisados. Um quarto pedido de liberdade está sendo analisado pelo ministro Napoleão Nunes Mario Filho, da 5ª turma. A decisão dele estava prevista para o dia 18 de agosto, mas ele ainda não se pronunciou. Isso deve acontecer nos próximos dias, segundo a assessoria. Também há um agravo de instrumento impetrado nesta quinta. Como ele corre sob segredo de Justiça, o STJ não deu mais informações.
STF
O STF, por sua vez, informou que a defesa do casal Nardoni entrou com sete habeas corpus, todos analisados. Um deles é apenas para Alexandre. Dois foram indeferidos e os demais não tiveram seus méritos analisados. De acordo com a assessoria do Supremo, os advogados do casal entraram com um agravo de instrumento no dia 26 de agosto. O documento pede a nulidade da ação penal por conta do cerceamento de defesa. Ele será analisado pelo ministro Joaquim Barbosa.


JUSTIÇA JÁ!!!

Kleber Tomaz e Marcelo Mora


Do G1, em São Paulo

ONGs querem EIA-Rima para liberação da Ponte Mário Covas


A cena se repete a mais de 20 anos. Mas só é possível percebê-la durante a noite.
Eles vão chegando aos poucos pelas bordas. Uns, se arrastando, outros, aos saltos,ao som do coachar serelepe da rã que escapa do jacaré-do–papo-amarelo que a espreita.
O rito se prolonga pela noite inteira, em meio a calmaria que assombra o transeunte solitário com tamanha paz e segurança.
É assim que se sentem capivaras, antas, sucuris, lobos guarás,tamanduás e catetos.
Sob a vigilância da coruja atenta para o esturro da onça, por entre as croas de matas e varjões,eles adentram pelas margens do paranazão e rio verde amigos.
Todas as noite eles se refestelam na areia, pelas curvas da estrada solitária,paraíso dos livres em um santuário de meu Deus.
É assim por todos os 22.886 hectares da Reserva Cisalpina, no município de Brasilândia, no Mato Grosso do Sul,onde a natureza está protegida pelos braços da Cesp e a consciência de outros, ainda que poucos, engajados cidadãos.
Mas a alegria dura só até as 6 horas da manhã. Horário paulista.
Porque a partir da aurora, com a chegada da balsa de Paulicéia-SP,
a paz animal sossega e é hora de bater em retirada, tal qual o tuiuiú majestoso que disputa com a garça andeja a linha do horizonte, para o fundão dos pantanais.
O fluxo de veículos que cruza a Rodovia Luigi Cantone, antiga MS-040, hoje BR 158, agora, é de hora em hora,e os animais retardatários, que espreguiçam-se mais demoradamente no leito da estrada,estes, já estão até acostumados com o tilindar das pedras no casco dos veículos,batendo firme no chão essa hora, que transforma aos pouco o ambiente de paz, no terror de suas vidas.

Não, filhinho, não atravesse a pista. A estrada deixou de ser segura....

Mais informações:
http://institutocisalpina.vilabol.uol.com.br/


Carlos Alberto dos Santos Dutra
RG nº 080054400597 SSP/RS
Diretor Presidente do Instituto Cisalpina

Verbratec© Desktop.