quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Vídeo de menino derrubando móveis em escola gera comoção nas redes sociais


O vídeo que mostra um menino derrubando móveis e objetos na sala de uma escola tem gerado enorme comoção nas redes sociais. A cena foi registrada por funcionários da escola, que nada fizeram. “Deixa ele, a gente não pode bater nele ou segurá-lo”, diz uma funcionária. “Quero saber da orientação educacional, da assistência social, o que a gente faz com uma criança dessas?”, questiona outra. No fim das contas, os professores ameaçam acionar a polícia.
Somente em uma página do Facebook, o vídeo foi compartilhado mais de 100 mil vezes por internautas indignados e divide opiniões. "Acho que nem os pais dessa criança têm domínio sobre ele. Que absurdo, meu Deus", escreveu um deles. "Total despreparo dos educadores. Ninguém manda parar e ainda estão incentivando a quebradeira", escreveu outro.
O caso ocorreu na Escola Municipal Paulo Freire, localizada na cidade de Macaé. De acordo com a Secretaria de Educação do município, o menino tem 7 anos e é aluno do 1° ano do Ensino Fundamental. A secretaria não informou quando o caso ocorreu, mas disse que soube do fato nesta quarta-feira. Segundo o órgão, não há registros de problemas anteriores com o estudante.

Além disso, a Secretaria de Educação informou que “solicitou à Procuradoria Geral do Município a abertura de um inquérito administrativo para a apuração dos fatos”. Segundo o órgão, a direção geral ficará afastada da escola enquanto as investigações estiverem em andamento. Também informaram que assistentes sociais foram à residência do menino para oferecer apoio à família, e que ele terá acompanhamento de profissionais da equipe multidisciplinar na escola a partir desta quinta-feira.
Especialistas questionam conduta dos funcionários
A pergunta feita pela funcionária da escola sobre o que fazer com o menino divide opiniões entre especialistas. De acordo com o desembargador Siro Darlan, ex-coordenador da Comissão Judiciária de Articulação das Varas da Infância e Juventude e Idoso, não existe uma receita a ser seguida pelos funcionários diante de uma situação como essa, mas é categórico ao afirmar que a violência nunca é a melhor opção.
— Em uma situação como essa, o ideal é esperar a criança se acalmar e oferecer uma resposta de acolhimento. Em vez de puxá-la com força, é preciso abraçá-la. Provavelmente o menino está acostumado à violência e espera que os funcionários da escola o tratem desta forma. Mas, se é surpreendido com uma ação diferente, pode mudar o seu comportamento — defende.
Para Darlan, a falta de reação dos funcionários reflete uma falta de orientação educacional e preparo adequados. Segundo ele, os professores não podem abrir mão de sua autoridade pedagógica.
— O educando testa o educador a todo momento. A juventude é contestadora, e não passiva. Cabe aos professores, através de técnicas aprendidas nas universidades, controlar, dialogar e se aproximar dos alunos — diz.
A professora Miriam Paura, pedagoga da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), acredita que a conduta adotada pelos funcionários da escola foi “erradíssima”.
— Não se educa deixando os alunos fazerem o que querem. Os pais e educadores devem estabelecer limites para as ações das crianças. Deveriam ter o retirado da sala e conversado com ele, dito que não estava certo. Ele pode não entender hoje ou amanhã, mas um dia começa a entender. Se o caso é mais sério, o ideal é que os pais levem a criança até um médico para que, junto com a escola, ajude a resolver o problema — explica.

Para o especialista em educação Cláudio de Moura e Castro, a indisciplina é um problema sistêmico no país, onde existe uma confusão entre autoridade e autoritarismo.
— Sem autoridade, nenhuma organização funciona. O que acontece é que esses funcionários são partes de um sistema. Eles não têm autoridade ou autonomia para se rebelarem individualmente contra a incapacidade da escola de lidar com indisciplina. É um problema sistêmico, estrutural. O pensamento educacional é incapaz de entender que há limites que não podem ser ultrapassados. Criou-se uma enfermidade social, uma permissividade que é disfuncional em qualquer país do mundo — defende.
O especialista defende que, para mudar o cenário, deve haver uma “tomada de consciência coletiva”.
— Acho que a mudança deve começar pelas secretarias de educação, pelos diretores e professores, que devem dar um basta na situação. Os conselhos tutelares e juizados também devem ser parte do processo — argumenta.


Leia a nota da Secretaria de Educação de Macaé na íntegra:

“A secretaria de Educação solicitou, junto à Procuradoria Geral do Município, a abertura de um inquérito administrativo para apuração dos fatos sobre a exibição do vídeo do aluno, de 7 anos, do 1º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Paulo Freire, localizada no bairro Lagomar, que foi divulgada nas redes sociais. Baseado na solicitação da abertura do inquérito, para apuração isenta dos fatos, foi recomendado o afastamento da direção geral da unidade municipal.
As assistentes sociais da secretaria de Educação foram até a residência do aluno para oferecer apoio necessário à família. O estudante terá acompanhamento dos profissionais da equipe multidisciplinar na unidade escolar, a partir desta quinta-feira (29).
O secretário de Educação, Guto Garcia, que ficou ciente do caso nesta quarta-feira (28), adotou, de imediato, as providências necessárias. Ele destacou que o vídeo confirma a preservação da integridade física do aluno e que não há registros de problemas anteriores com o estudante.
A Prefeitura de Macaé lamenta o fato ocorrido e ressalta que a rede municipal de ensino trabalha em prol do bem-estar dos alunos.”

Fonte: Extra

Um comentário:

  1. Que coisa bonita, 'coitadinho' né? Imaginem o futuro dele!

    ResponderExcluir

Verbratec© Desktop.