sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Turista na Argentina passa 14 dias em coma e pede ajuda para voltar ao DF


Contador de Brasília foi atropelado por ônibus no penúltimo dia de férias.
Traslado foi estimado em R$ 150 mil; Itamaraty diz que não pode bancar.


Internado há 23 dias após ser atropelado por um ônibus durante as férias na Argentina, o contador Thiago Henrique de Freitas, de 28 anos, ainda não sabe como voltar a Brasília. Ele sofreu traumatismo craniano depois de ser atingido quando atravessava a Rua Florida, em Buenos Aires, e foi levado para o Hospital General de Agudos Dr. Cosme Argerich, onde passou duas semanas em coma induzido. Freitas está consciente, mas não pode falar por ter passado por traqueostomia.
A instituição liberou a volta para o país desde que ele consiga UTI aérea. A família diz que não tem condições de arcar com o traslado e que o Itamaraty se recusa a ajudar.
Estou me bancando aqui com ajuda de amigos e familiares, e as dependências de onde eu estou são boas. Fui ao MRE pedir ajuda, de cara ouvi que ‘o MRE não paga nada’. Estou me sentindo abandonada aqui"

Por e-mail, o Ministério das Relações Exteriores informou que não existe autorização legal para cobertura integral ou parcial de despesas como essa. O órgão também afirmou que o Consulado-Geral do Brasil em Buenos Aires tem prestado apoio e acompanhado a evolução do estado de saúde do contador.
Mulher dele, Raquel da Conceição de Freitas Costa conta que esta foi a primeira viagem internacional do casal. Eles partiram no dia 27 de agosto, deixando a filha de 5 anos com os pais do contador, e deveriam retornar no dia 3 de setembro. O acidente aconteceu na noite anterior ao retorno. O casal chegou a contratar um seguro-viagem, mas foi informado que ele não cobre esse tipo de despesa.

“[Ele] Teve que fazer uma cirurgia na cabeça e ficou em coma induzido por 14 dias. Fomos muito bem tratados pela equipe médica daqui, que ficou muito compadecida com meu desespero e [com o fato de] eu não dominar o idioma. Foi horrível”, afirma.

Raquel conta que fez uma cotação e que o preço da viagem foi estimado em R$ 150 mil. Ela, que está de férias, conseguiu que o marido seja considerado afastado no trabalho por problema de saúde. Enquanto isso, a filha segue com os avós paternos.
A corretora de seguros espera que a divulgação do caso sensibilize as pessoas a ajudá-la. Raquel diz que pretende fazer uma “vaquinha” em breve se não conseguir o traslado.

G1

2 comentários:

  1. Brasil só paga despesas de candidaturas e Copa do Mundo, povo que se dane.

    ResponderExcluir
  2. Muito triste o incidente que ocorreu com este turista brasileiro! É nestas horas que nos damos conta da importância de contratar um seguro viagem! Ele minimiza os riscos e imprevistos.

    Somos uma operadora de grande tradição e que atua há 36 anos no mercado de seguros viagem. Temos vários planos, para atender às necessidades de cada cliente. Estamos com uma promoção de 15% de desconto para as pessoas que apresentarem o código promocional TOURIST15. Para quem quiser conhecer melhor a empresa acesse o nosso site: http://www.touristcard.com.br e o nosso chat, onde respondemos de imediato a qualquer dúvida: http://bit.ly/chattour.

    Um abraço para todos,
    TouristCard.

    ResponderExcluir

Verbratec© Desktop.